Lí­nguas Humanas

Várias Línguas Humanas

Algumas línguas humanas são mencionadas nos trabalho de Tolkien, mas exceto no caso do Adûnaico, nosso conhecimento é fragmentário. Muitas línguas humanas foram influenciadas pelo Élfico. Quando Felagund tão rapidamente decifrou a linguagem de Bëor e seus homens, foi parcialmente porque "aqueles homens por muito tempo tiveram contato com os Elfos Escuros do leste das montanhas, e dele aprenderam muito de sua fala; e uma vez que todas as línguas dos Quendi têm uma única origem, a linguagem de Bëor e seu povo lembrava a língua Élfica em muitas palavras e artifícios" (Silmarillion cap. 17).

 

ROHIRRIC

No Senhor dos Anéis cap. 6, quando Aragorn e Legolas se aproximam do Salão Dourado de Rohan, Aragorn recita um poema em uma língua estranha. "Esta é, suponho, a língua dos Rohirrim", o Elfo comentou, "pois é como esta terra; rica e voltada para si em parte, e também dura e severa como as montanhas. Mas eu não posso imaginar o que significa, exceto que é carregada com a tristeza dos Homens Mortais".

Nós não sabemos muitos sobre o Rohirric genuíno, pois no Senhor dos Anéis, Tolkien a traduz como Inglês Antigo: Ele tentou reproduzir para os leitores ingleses seu tempero arcaixo quando relacionado à Língua Comum (representada pelo inglês moderno – mas deve ser compreendido que o Rohirric não é um ancestral da Língua Comum, da forma como o Inglês Antigo é do Inglês Moderno). Dessa forma, nomes como Éomer e frases como ferthu Théoden hál não são transcrições da palavras usadas na Terceira Era. Apesar de tudo, algumas palavras de Rohirric genuíno foram publicadas. O Apêndice F informa-nos que trahan significa "toca", correspondendo ao genuíno Hobbit trân "smial"; a linguagem dos Hobbits foi de certo modo influenciada no passado pelo Rohirric ou outra linguagem bastante aparentada. Outro exemplo é o Hobbit kast "mathom", corespondendo ao Rohirric kastu. A palavra hobbit representada pela palavra de Terceira Era kduk, uma antiga forma Hobbitica do Rohirric kûd-dûkan, "fazedor de tocas" – representada pelo Inglês Antigo holbytla no Senhor dos Anéis.

Após a publicação do The Peoples of Middle-earth nós temos algumas outras poucas palavras. De acordo com este livro, o elementro frequente éo- "cavalo" (em Éowyn, Éomer etc.) representa o genuíno Rohirric loho-, lô- evidentemente um cognato das palavras Élficas para "cavalo" (Quenya rocco, Sindarin roch) – demonstrando a influência do Élfico nas Línguas dos Homens. Éothéod, "povo dos cavalos" ou "terra dos cavalos", é uma tradução do Rohirric genuíno Lohtûr. O nome Sindarin Rohan corresponde ao antivo Lôgrad (em Inglês Antigo Éo-marc, o "marco dos cavalos"). Théoden representa tûrac-, uma antiga palavra para "king" (provém da raiz Élfica TUR-, referente a poder e domínio).

De acordo com o Unfinished Tales, a palavra Rohirric para wose (homem selvagem) era róg plural rógin.

LÍNGUAS DO NORTE

No texto do Senhor dos Anéis, os nomes de Gollum e de seu amigo aparecem como Sméagol e Déagol. De acordo com uma nota de rodapé no Apêndice F, estes nome eram "nomes na linguagem dos Homens da região próxima a Gladden". Mas mais tarde neste Apêndice, é explicado que estes não eram seus nomes reais, "mas equivalentes feitos da mesma forma para os nomes Trahald "escavando, minando" e Nahald "secreto" na línguas do Norte". A frase "da mesma forma" refere-se à substituição do Rohirric por Inglês Antigo; os nomes Sméagol e Déagol foram feitos de elementos de Inglês Antigo para servir como Ëquivalentes" dos atualmente arcaicos nomes da Terra-média Trahald e Nahald. No rascunho do Apêncice F, feito por Tolkien (onde os nomes "reais"aparecem como Trahand e Nahand), eles são traduzidos como "apto para arrastar-se em um buraco" e "apto a esconder, secreto", respectivamente. Na mesma fonte, Tolkien adiciona que "Smaug, o nome do Dragão, é uma representação em termos similares, neste caso de um personagem mais Escandinavo, do nome do Vale Trâgu, o qual é provavelmente relato com a raiz trah- no Marco e no Condado". Dessa forma, os nomes criados Sméagol (pseudo-Inglês Antigo) e Smaug (pseudo-escandinavo) envolve a mesma raiz original, representando o relacionamento entre os nomes atuais da Terra-média Trahald e Trâgu. Uma vez que Trahald é dito significar "escavando, minando" ou "apto a arrastar-se em um buraco", é interessante notar que Tolkien determinou que o nome Smaug (representando Trâgu) é "o passado do verbo germânico primitivo Smugan, apertar-se através de um buraco". (Letters:31).

DUNLENDING

Quando estava defendendo o Forte da Trombeta, Éomer não podia entender o que seus atacantes estavam gritando. Gamling explica que "existem muitos que gritam na língua de Dunland… Eu conheço aquela língua. É uma antiga fala dos Homens, e uma vez fora falada em muitos vales no oeste do Marco… eles gritam[:] Morte ao Forgoil! Morte aos cabeças-de-palha!… São os nomes que têm para nós". Apêndice F menciona forgoil "cabeças-de-palha" como uma das palavras Dunlending que aparecem no Senhor dos Anéis: talvez for-go-il "cabeças-palha-plura"? A terminação -il pode ter sido tomado do Élfico, no final das contas um cognato do partitivo plural final Quenya -li.

AS LÍNGUAS DE HARAD E KHAND

Das línguas dos Haradrim, bastante distantes ao sul, não podemos dizer muito. Um certo mago uma vez declarou que "muitos são meus nomes em muitas regiões: Mithrandir entre os Elfos, Tharkûn para os Anões, Olórin eu era na minha juventude no Oeste que está esquecida, no Sul Incánus, no Norte Gandalf, para o Leste eu não vou". De acordo com o Unfinished Tales, Incánus ou Inkâ-nus, Inkâ-nush é uma palavra da língua dos Haradrim significando "Espião do Norte". Mas Tolkien não estava certo quanto a isso; ele perguntava-se se Incánus não poderia ser Quenya "mente líder". De acordo com The Peoples of Middle-earth, Tolkien declarou que os nomes Khand (a terra a sudeste de Mordor) e Variag (o povo que vivia em Khand) eram exemplos da "fala dos Homens do Leste e aliados de Sauron". Outra palavra de Khand é mûmak "elefante", plural mûmakil. A terminação plural -il é relatada àquela que ocorrer em Forgoil, ou é tomado independentemente do Élfico?

DRÚEDAINIC

Os homens selvagens da Floresta Drúadan usava uma língua completamente estranha à Língua Comum. em tempos antigos, sua raça era chamada Drûg pelo povo de Haleth, "sendo esta uma palavra de sua própria língua". Sua forma atual em Drúedainic é citada no Unfinished Tales como Drughu ("na qual o gh representa um som aspirado"). Suas vozes eram "profundas e guturais"; de fato a voz de Ghân-buri-Ghân é assim descrita mesmo quando ele falava Westron. Ele repetidamente usou a palavra gorgûn, evidentemente significando "Orcs".

TALISKA

Uma antiga língua dos Homens chamada Taliska é mencionada no Senhor dos Anéis; esta era a linguagem do povo de Bëor, o ancestral do Adûnaico. Esta foi influenciada pelos Elfos da Floresta (Nandorin). "Uma gramática histórica do Taliska é existente", Christopher Tolkien nos informa. Anos atrás, Vinyar Tengwar informou que um dos Elfconners estava editando a gramática Taliskan, apenas uma poucas palavras das línguas antigas dos Homens da Primeira Era são conhecidas; encontramos hal "cabeça, chefe", halbar "líder", hal(a) "vigiar, guardar", halad "guarda", haldad "cão de guarda". bor "pedra". No Silmarillion, cap. 17, é gravado que o povo de Bëor chamava o Rei Élfico Felagund de Nóm, "Sabedoria", e seu povo eles chamavam Nómin, "os Sábios". Dessa forma, sua linguagem parecer ter uma terminação plurarl -in, também encontrada no Rohirric.