Tolkien e Chivalry

[¹ "Chivalry" é um termo ambíguo em inglês, que pode significar tanto
"regras da cavalaria" e "cavalaria" quanto "cavalheirismo" ou
"bravura", que era uma característica considerada altamente importante
na Idade Média. Dessa forma, optamos por traduzir por uma ou outra
forma dependendo do contexto da frase, uma vez que optar por uma só
tradução ao longo de todo o texto eliminaria o segundo sentido da
palavra. Que fique então claro para o leitor que no inglês, a palavra
"chivalry" tem um sentido bem mais amplo do que no português. N. da T.]
 
 
 
1. Tolkien e Chivalry hoje

Muitas
pessoas pensam em cavalheirismo e regras da cavalaria como um conceito
que vem dos contos de espadas, cavaleiros e magia da Idade Média.
Ironicamente, no entanto, uma das mais conhecidas histórias de espadas
e magia não vem da Idade Média de forma alguma, mas sim do século XX. O
Senhor dos Anéis, escrito por J.R.R. Tolkien, surgiu na década de 1950,
e desde a sua publicação a obra tem sido responsável por introduzir uma
nova geração inteira (ou, mais perto da verdade, várias novas gerações)
para um ideal de heroísmo e cavalaria que seria muito familiar para os
povos da Europa medieval.

Hoje, à medida que os leitores
descobrem e redescobrem a maravilhosa história de O Senhor dos Anéis,
tomemos alguns minutos para considerar as lições de cavalheirismo que
são encontradas nesse livro. Críticos da obra freqüentemente alegam que
O Senhor dos Anéis é simplista e enfadonho; muitos disseram que não é
nada mais do que uma elaborada história de ninar. Isso, no entanto, é
uma infeliz tentativa de atribuir a O Senhor dos Anéis uma aura de
sofisticação moderna e nuance contemporânea que, caso fosse verdade,
estaria totalmente fora de lugar em uma obra assim. A história de
Tolkien é tão sofisticada quanto cheia de nuances, mas são qualidades
que remetem a outra era.

A história da batalha pela
Terra-média escrita por Tolkien é claramente um esforço para introduzir
os leitores de hoje à uma maravilhosa tradição literária das sagas
épicas medievais. O exército de Aragorn enfrentando as hordas de Mordor
diante do Portão Negro traz à mente a imagem de Rolando em sua última
resistência em Roncevaux; o Conselho de Elrond em Valfenda tem uma
marcante semelhança com a reunião dos Cavaleiros da Távola Redonda; e a
batalha de Frodo com Laracna contém elementos da derrota da monstruosa
mãe de Grendel por Beowulf.

Mas a comparação não deveria ficar
restrita aos detalhes do roteiro da história — há também um rico senso
de cavalheirismo e virtudes de cavaleiros em O Senhor dos Anéis.
Aragorn, último herdeiro do trono de Gondor, sente o peso de seu dever
tanto quanto Rei Arthur sentiu, e ele põe de lado seus desejos pessoais
próprios a fim de servir seu povo, que precisa dele. Sam é a própria
imagem da lealdade, e ele é tão fiel ao homem que segue quanto Conde
Oliver eram em relação à Rolando. Galadriel, com graça e generosidade,
oferece inspiração ao Portador do Anel tão bem quanto Guinevere fez aos
cavaleiros buscando o Santo Graal. E a coragem e força de Éowyn, que se
equiparam às da leal Brunhilde, deveriam ser fortes o suficiente para
banir qualquer mito de que o Código da Cavalaria não se aplica às
mulheres.

De fato, O Senhor dos Anéis é tudo que uma
história de ninar deveria ser — é uma inspiradora lição sobre
cavalheirismo e honra que irá reafirmar a necessidade das Virtudes da
Cavalaria no coração de qualquer um que a ler, sejam jovens ou velhos.
Tolkien claramente tinha grande respeito pela tradição do cavalheirismo
e cavalaria tanto na literatura quanto na sociedade, e seus livros
podem ser uma fabulosa introdução ao mundo de heroísmo e cavaleiros em
armaduras reluzentes.

2. O Anel e as Virtudes do Cavaleiro

A revista “Time” recentemente publicou um artigo comentando a respeito
da súbita explosão de popularidade de O Senhor dos Anéis no novo
milênio. Embora os livros de Tolkien sempre tenham tido fortes
seguidores, a “Time” teorizou que a popularidade aumentada do gênero de
fantasia na mídia deve-se ao nosso desejo por tempos mais simples,
quando tudo era preto e branco, e os “mocinhos” podiam ser facilmente
distinguidos dos “vilões”. No fim, o artigo da “Time” criticava
levemente qualquer um que tivesse sido levado a acreditar que a vida
podia ser tão simples quanto era na Terra-média.

Embora a
história de O Senhor dos Anéis possa parecer simples na superfície, há,
na verdade, muita complexidade. O Anel do Poder, que está no coração do
conflito da história, tem um efeito em cada personagem que entra em
contato com ele. Cada um deles é tentado pela grande magia que o Anel
representa, embora jamais se esclareça se essa tentação vem do Anel ou
de dentro dos próprios personagens.

No entanto, a implicação é
que até mesmo a pessoa mais virtuosa é vulnerável à tentação. O Anel
traz à tona tudo que é o oposto ao cavalheirismo e bravura – covardia,
cobiça e vaidade.

Talvez Tolkien estivesse fazendo uma
declaração a respeito da natureza humana. Nesse caso, é uma declaração
que seria bastante familiar aos cavaleiros da Idade Média lutando para
fazer valer o Código da Cavalaria: nenhum de nós deveria dar a virtude
por certa. Devemos estar sempre vigilantes contra os inimigos do
cavalheirismo, e o maior destes inimigos vive dentro de nossos próprios
corações.

É interessante notar que, com o passar das eras,
críticos também alegaram que o Código da Cavalaria é simplista e
idealista. Mas as simples virtudes do código dos cavaleiros, como a
história “simples” de O Senhor dos Anéis, escondem uma complexidade
muito mais profunda que dão tanto ao cavalheirismo quanto a Tolkien uma
recém-descoberta relevância no mundo do século XXI.

3. Frodo e Coragem

Embora O Senhor dos Anéis tenha várias semelhanças com as sagas épicas
da Idade Média, o livro se separa de suas contrapartidas medievais em
um aspecto: os romances cavalheirescos de antigamente sempre traziam um
cavaleiro ou guerreiro poderosos como seu protagonista. Em O Senhor dos
Anéis, contudo, o herói é um Hobbit — um personagem humilde e até mesmo
tímido que não tem amor pela glória, e que preferiria muito mais um
generoso café-da-manhã do que partir em uma jornada épica.

Diferentemente de Galahad, Rolando ou Beowulf, Frodo Bolseiro
representa o “homem comum” universal. Embora ele possa sonhar acordado
com maravilhas distantes e grandes aventuras, sua vida é preenchida
pelos detalhes de cuidar de seu jardim e lida com vizinhos e parentes.
Isso significa que ele não pode ser um herói?

Similarmente,
cada um de nós pode fantasiar a respeito de salvar o mundo, ou combater
o mal, ou governar um reino mítico, mas provavelmente temos bem mais
coisas em comum com Frodo do que temos com Gandalf ou Aragorn; cuidamos
todos os dias de nossos negócios, lidamos com nossos vizinhos e amigos,
e nos perguntamos o que haverá para o café amanhã de manhã. Mas isso
significa que não podemos ser heróis?

Ao fazer essa pergunta,
descobrimos que O Senhor dos Anéis atravessou o reino da cavalaria hoje
em dia. Há trabalhos desagradáveis, difíceis e assustadores que devem
ser feitos todos os dias, e nós, como Frodo, devemos estar dispostos a
realizar as tarefas que recaem sobre nós, não porque nos trarão glória
ou riquezas ou títulos, mas simplesmente porque elas precisam ser
feitas. É disso que coragem e cavalheirismo tratam. É isso que torna
alguém um cavaleiro numa armadura reluzente.

Este é o curso
dos atos que movem as rodas do mundo: pequenas mãos os realizam porque
devem, enquanto os olhos dos grandes estão em outra direção.

Apenas uma das várias declarações escritas por J.R.R. Tolkien que nos
fazem lembrar porque O Senhor dos Anéis é um verdadeiro clássico, e um
grande lembrete da necessidade do cavalheirismo hoje em dia.