Casamento Élfico

Os Elfos se casavam apenas uma vez na vida e era por amor e de livre
vontade. Casamento era o curso natural de suas vidas e eles, em sua
maior parte, se casavam na juventude e normalmente antes de seus
quinquagésimos aniversários.
 
 
 
Com bastante frequência ele podiam escolher um ao
outro bastante cedo na juventudo, mesmo como crianças. Se eles eram
crianças [ou seja, não tinham atingido 50 anos] o noivado aguardava o
julgamento dos pais de ambos. Se eles já possuíam a idade apropriada, o
noivado era anunciado em um encontro das duas Casas interessadas e se
permitido os noivos trocavam alianças de prata entre si.

De
acordo com as leis dos Eldas este noivado mantido por pelo menos um ano
e durante este tempo ele poderia ser revogado por uma devolução pública
dos anéis; os anéis então seriam enterrados e nunca usados novamente
para um noivado.

Depois de pelo menos um ano ter se passado
desde a festa de noivado, era função dos noivos indicar a data de seu
casamento e a festa das duas Casas envolvidas. Ao final da festa os
noivos punham-se à frente e a mãe da noiva e o pai do noivo juntava as
mãos do casal e os abençoava.

A forma desta benção não é
conhecida pois nenhum mortal jamais a ouviu, mas os Eldar diziam que
Varda era nomeada como testemunha pela mãe e Manwë pelo pai e o nome de
Eru era mencionado também. Então os noivos devolviam suas alianças de
prata, mas em troca davam finos anéis de ouro usados no indicados da
mão direita.

Para os Noldor existia também um costume no qual
a mãe da noiva deveria dar ao noivo uma jóia em uma corrente ou colar e
o pai do noivo deveria dar um presente igual à noiva. Este presente
poderia ser dado antes da festa de casamento.

Estas cerimônias
não eram obrigatórias para o casamento; eram apenas um modo gracioso de
reconhecer a união das duas Casas. Era no ato da união corpórea que o
casamento era executado e após a qual a união estaria completa. Sempre
foi permitido a qualquer Eldar [se solteiro] casar-se sem cerimônia ou
testemunhas, exceto bençãos e menção de nomes, e em tempos de
problemas, em fugas ou em exílios e viagens, tais casamentos eram
frequentemente realizados.

Não existem registros de nenhum
Elfo que tenha pega a esposa de outro por força porque isto era contra
sua natureza. Alguém forçado a isso poderia rejeitar sua vida corpórea
e passar para Mandos. Isto dificilmente era possível, pois os Eldar
podiam ler na voz e nos olhos do outro quando este era casado ou não.

Segue abaixo a Lei de Ilúvatar sobre casamentos que foi pronunciada
devido aos dois casamentos de Finwë, o que conflita com o enunciado da
primeira linha que diz que os Elfos se casavam apenas uma vez durante a
vida. A Lei sobre casamento como Mandos a disse aos conselheiros dos
Eldar:

“Esta é a Lei de Ilúvatar para vocês, seus filhos, como
vocês sabem. Os Primogênitos deverão tomar uma esposa apenas e não ter
outra na vida enquando Arda perdurar. Contudo esta lei não leva em
consideração a Morte. Este destino é agora existente, pelo direito de
governo que Ilúvatar concedeu a Manwé, que se o espírito de um
parceiro, marido ou esposa, abandonar seu corpo deverá de qualquer
forma passar para a guarda de Mandos, então ao vivo será permitido
tomar outro parceiro. Mas isto apenas poderá ser se a antiga união for
dissolvida para sempre. Então aquele mantido sob a guarda de Mandos
deverá permanecer ali até o final de Arda, e não deverá despertar
novamente ou tomar forma corpórea. Pois ninguém entre os Quendi poderá
ter duas esposas de uma vez vivas e despertas. Mas uma vez que não pode
se rpensado que os vivos poderão, por sua vontade apenas, confinar o
espírito de outro a Mandos, esta desunião deverá ocorrer apenas com o
consentimento de ambos. E após a concessão do consentimento dez anos
dos Valar [9,82 Anos do Sol] deverão se passar antes que Mandos o
confirme. Dentro deste período qualquer parte poderá revogar este
consentimento, mas quando Mandos o confirmar, o o parceiro vivo casior
com outro, será irrevogável até o fim de Arda.”

[De: The History of Middle-Earth 10 - Morgoth`s Ring]

[tradução de Fábio 'Deriel' Bettega]