Tolkien e o Cristianismo: Ainulindalë e Quenta Silmarillion

Tolkien nasceu em uma família cristã devota. Sempre ia as missas aos
domingos, foi batizado, fez crisma, etc. Com a morte de sua mãe( seu
pai já havia morrido 8 anos antes), Tolkien passou a ser criado pelo
Padre Francis Morgan, que era grande amigo de sua famí- lia e já
conhecido de dele. Esse ambiente certamente fortaleceu a crença cristã
de Tolkien.
 
 
 

Com tamanha devoção religiosa, é inevitável que seus livros tenham semelhanças com a mitologia bíblica.

 

Talvez
a maior influência esteja na própria forma que os livros foram
organizados: Silmarillion representando o Antigo Testamento(AT) e o
Senhor dos Anéis representando o Novo Testamento(NV).Não apenas porque
o Silmariilion é “antes� e o Senhor dos Anéis “depois�. As formas
narrativas também são muito similares. O Silmarillion tem uma história
da criação universal e se utiliza de vários personagens em várias
épocas, assim como o AT. Diferente do Senhor dos Anéis, que tem a
história centralizada em alguns personagens em uma época.

Nesta primeira parte deste ensaio
irei falar sobre o Ainulindalë e Quenta Silmarillion . Numa Segunda
parte falarei de Númenor e o Senhor dos Anéis.

Começando pela própria criação do
mundo e a existência de um deus único e todo-poderoso. Alias, o próprio
Tolkien ficou dividido nessa parte, pois a idéia das mitologias
nórdicas ( que era o principal molde para os seus livros) de que muitos
deuses existem contradizia com sua ideologia cristã, tornando assim o
livro “pagão�. A solução que ele arrumou foi a de que um deus
existiria, e este seria onipotente, onipresente e onisciente (assim
como o deus cristão) e este possuiria vários “semi-deuses�, os Valar.
Na verdade, uma imagem que se assemelha mais aos Valar seria a dos
Arcanjos. Estes são anjos superiores e que são lideres, cada um de uma
tropa de Anjos, que aqui poderiam ser encaixados como os Istari e os
Maiar. Os Istari ( Gandalf, Radagast, Saruman, Pallando e Alandar) são
enviados com o pretexto de salvar o mundo do mal, semelhante aos anjos.

 

E
assim como Anjos e Arcanjos, também temos os Anjos Caídos. A História
de Morgoth lembra a de Lúcifer. Ambos tinham pretensão de mudar a
criação aos seus próprios moldes, ambos odiavam todos os seres vivos e
ambos são presos no final( Morgoth no Vazio e Lúcifer no Inferno). Os
próprios Istari foram corrompidos(com exceção de Gandalf). Radagast
pela Natureza, Saruman pela ganância e pelo Anel e os Azuis pelo Sauron
(isso é teórico).

Indo
agora para o Quenta Silmarillion, temos a história do despertar dos
elfos. Eles tem que atravessar uma grande distância para chegar a Arda,
e tendo que atravessar o Grande Mar, Ulmo leva-os numa ilha. Passagem
que lembra muito Moisés que tem que guiar seus povo ate a Terra
Prometida, atravessando o Mar, com ajuda divina.

A
Revolta de Fëanor e o exílio dos Noldor, é parecida com Adão e Eva, que
perdem o paraíso(Arda) por desobediência a Deus (Valar).