A verdadeira história de Ereinion Gil-galad

A história de Gil-galad foi traçada por Christopher Tolkien em The
Peoples of Middle-earth, o décimo-segundo livro da série The History of
Middle-earth. Essa história complexa pode ser resumida da seguinte
forma: no princípio (cerca de 1937) ele era um descendente de Fëanor,
tornando-se depois filho de Finrod Felagund. Ele permaneceu nessa
posição durante muito tempo, provavelmente até 1949-1950, quando O
Senhor dos Anéis foi completado. Nessa época, Galadriel era sua irmã, e
portanto também filha de Felagund. Contudo, nos Anais Cinzentos de 1951
(texto que deu origem a grande parte de O Silmarillion como o
conhecemos), surgiu a história de que Finrod não tinha esposa, e
durante algum tempo Fingon se tornou o pai de Gil-galad, que recebeu o
“nome verdadeiro” de Findor.
 
 
 
Mas Tolkien ainda não estava satisfeito com essa
versão. Ele então desenvolveu a idéia (por volta de 1960) de que
Orodreth não era irmão de Finrod Felagund, mas seu sobrinho, filho de
Angrod. O nome de Orodreth foi então mudado para Rodothir, que teve um
filho chamado Rodnor – o futuro Gil-galad. Por volta de 1968, Tolkien
reafirmou essa genealogia, embora mudando o “nome verdadeiro” de
Gil-galad para Ereinion, “rebento do reis”. Christopher explica que não
era possível introduzir essa genealogia em O Silmarillion porque as
narrativas nunca foram modificadas para abrigá-la. Mesmo assim, ele
considera que teria sido melhor deixar a ascendência de Gil-galad
obscura em vista desses fatos.