Leis e Costumes entre os Eldar

Leis e costumes entre os Eldar pertinentes ao casamento e a outros assuntos relacionados a isso: junto com o Estatuto de Finwë e Míriel e o debate dos Valar à sua realização

LEIS E COSTUMES ENTRE OS ELDAR PERTINENTES AO CASAMENTO E A OUTROS ASSUNTOS RELACIONADOS A ISSO: JUNTO COM O ESTATUTO DE FINWË E MÍRIEL E O DEBATE DOS VALAR À SUA REALIZAÇÃO


Preâmbulo de Ælfwine


[Os eldar cresciam em forma física mais lentamente que os homens, porém com mais rapidez em mente. Eles aprendiam a falar antes de completarem um ano de idade; e ao mesmo tempo eles aprendiam a andar e dançar, pois suas vontades logo vinham ao domínio de seus corpos. Na verdade, havia poucas diferenças entre as duas Famílias, elfos e homens, na infância; e um homem que observasse crianças élficas brincando, poderia muito bem acreditar que elas fossem filhas de homens, de algum povo belo e feliz. Pois nos seus primeiros dias, as crianças élficas deleitavam-se constantemente com o mundo ao redor delas, e o fogo de seus espíritos não as havia consumido ainda, e o fardo da memória ainda era leve sobre elas.

Este mesmo observador poderia ter se assombrado com a estatura e os pequenos membros destas crianças, ao julgar suas idades por suas habilidades com as palavras e graça ao mover-se. Pois ao final do terceiro ano, as crianças mortais começavam a superar os elfos rapidamente em estatura máxima, enquanto os elfos cresciam lentamente na primeira parte da infância. Os Filhos dos Homens podiam alcançar sua altura máxima enquanto os eldar da mesma idade ainda eram fisicamente como mortais de não mais que sete anos de idade. Os eldar não atingiam a estatura e forma, nas quais suas vidas seriam suportadas posteriormente, até o quinquagésimo ano, e algumas centenas de anos passavam antes que se tornassem adultos.]

1 – Do Casamento

Os eldar casavam-se em sua maioria na juventude e logo após o quinquagésimo ano. Eles tinham poucos filhos, mas estes eram muito caros a eles. Suas famílias, ou casas, eram mantidas unidas por amor e por um sentimento profundo pelo parentesco em mente e corpo; e as crianças necessitavam de pouca supervisão ou ensinamentos. Era raro haver mais de quatro crianças em cada casa, e o número crescia menos com o passar das eras; mas nos dias antigos, enquanto os eldar eram poucos e ansiavam por aumentar sua raça, Fëanor foi renomado por ser pai de sete filhos, e as histórias não mencionam ninguém que o tenha superado.

Os eldar casavam-se apenas uma vez em vida, e por amor ou pelo menos por livre vontade de cada parte. Mesmo quando nos dias posteriores, como as histórias revelam, muitos dos eldar na Terra-média tornaram-se corrompidos, e seus corações escurecidos pela sombra que estedia-se sobre Arda, raramente qualquer conto fala de atos de luxúria entre eles.

O casamento, salvo por raros males ocasionais ou por estranhos destinos, era o curso natural da vida de todos os eldar. Acontecia dessa maneira. Aqueles que posteriormente se casariam podiam escolher um ao outro ainda na juventude, mesmo como crianças [e de fato isto acontecia freqüentemente em dias de paz]; mas a não ser que eles desejassem logo estarem casados e fossem da idade apropriada, o noivado aguardaria o julgamento dos pais de ambas as partes.

A seu devido tempo, o noivado era anunciado em um encontro das duas casas envolvidas, e os noivos entregavam alianças de prata um ao outro. De acordo com as leis dos eldar, este noivado estava então comprometido a durar pelo menos um ano, e freqüentemente durava mais. Durante este período, ele poderia ser anulado por um retorno público das alianças, sendo as alianças então derretidas e não usadas novamente para um noivado. Tal era a lei; mas o direito de anulação era raramente usado, pois os eldar não erravam levianamente em tal escolha. Eles não são enganados facilmente pela sua própria raça; e sendo seus espíritos senhores de seus corpos, eles são raramente dominados apenas pelos desejos do corpo, pois eles são por natureza firmes e inabaláveis.

Apesar de tudo, entre os eldar, mesmo os de Aman, o desejo pelo casamento não era sempre realizado. Amor não era sempre correspondido; e mais de um poderia desejar outra por esposa. Cientes disto, o único motivo pelo qual a mágoa entrou na bem-aventurança de Aman, os valar ficaram em dúvida. Alguns sustentavam que isto vinha do desfiguramento de Arda, e da Sombra sob a qual os eldar despertaram; pois daí [eles diziam] vinha somente pesar e desordem. Alguns sustentavam que isto vinha do próprio amor, e da liberdade de cada fëa, e era um mistério da natureza dos Filhos de Eru.

Após o noivado, cabia aos noivos indicar a época de seu casamento, quando pelo menos um ano tivesse passado. Então em um banquete, novamente compartilhado pelas duas casas, o matrimônio era celebrado. Ao final do banquete, os noivos levantavam-se, e a mãe da noiva e o pai do noivo juntavam as mãos do casal e os abençoavam. Pois esta benção era uma forma solene, mas nenhum mortal jamais a presenciou; contudo, os eldar dizem que Varda era nomeada como testemunha pela mãe e Manwë pelo pai; e que além disso o nome de Eru era pronunciado [como raramente fora feito em outras épocas]. Os noivos então recebiam de volta um do outro suas alianças de prata [e as entesouravam]; mas eles davam em troca finos anéis de ouro, que eram colocados no dedo indicador da mão direita.

2 – Dos Nomes

Esta é a maneira pela qual o nome dos filhos era obtido entre os noldor. Logo após o nascimento, a criança era nomeada. Era o direito do pai escolher este primeiro nome, e era ele que anunciava o nome para os parentes da criança de ambos os lados. Este é chamado, por este motivo, o nome-pai, e este vinha primeiro, se outros nomes fossem adicionados posteriormente. Ele permanecia inalterado*, pois ele não recaia na escolha da criança.

* Exceto por mudanças como as que aconteciam na sua forma falada com o passar dos longos anos; pois [como é contado em outro lugar] mesmo as línguas dos eldar estavam sujeitas à mudanças.

Mas cada criança entre os noldor [neste ponto, talvez, eles diferiam dos outros eldar] tinha também o direito de dar um nome à si mesma. Ora, a primeira cerimônia, o anúncio do nome-pai, era chamada Essecarmë ou “Criação do Nome”. Posteriormente, havia outra cerimônia chamada Essecilmë ou “Escolha do Nome”. Esta acontecia sem uma data fixa após a Essecarmë, mas não podia acontecer antes da criança ser considerada pronta e capaz de lámatyávë, como os noldor chamavam: isto é, de satisfação individual nos sons e formas das palavras. Os noldor eram, de todos os eldar, os que adquiriam mais rapidamente o domínio das palavras; mas mesmo entre eles, poucos, pelo menos antes do sétimo ano, tornavam-se completamente cientes de sua lámatyávë, ou tinham ganho domínio completo da linguagem herdada e sua estrutura, assim como expressar essa tyávë habilmente dentro de seus limites. A Essecilmë, portanto, o objeto o qual era a expressão desta característica pessoal**, geralmente acontecia no, ou próximo do, décimo ano.

** Esta lámatyávë era tida como uma marca de individualidade e, de fato, mais importante do que outras, como estatura, cor, e traços faciais.

Em tempos antigos, o “Nome Escolhido”, ou segundo nome, era geralmente idealizado despreocupadamente e, embora moldado conforme a estrutura da linguagem da época, ele freqüentemente não possuia sentido prévio. Em eras posteriores, quando havia uma grande abundância de nomes já em existência, ele era mais freqüentemente selecionado a partir de nomes que eram conhecidos. Mas, ainda assim, alguma modificação do antigo nome podia ser feita.

Ora, estes dois nomes, o nome-pai e o nome escolhido, eram “nomes verdadeiros”, não apelidos; mas o nome-pai era público, e o nome escolhido era privado, especialmente quando usado sozinho. Privado, não secreto. Os nomes escolhidos eram considerados pelos noldor como parte de sua propriedade pessoal, como [dizem] seus anéis, taças, ou facas, ou outras possessões que eles pudessem emprestar, ou partilhar com a família e amigos, mas que não podiam ser pegos sem permissão. O uso do nome escolhido, exceto por membros da mesma casa [pais, irmãs e irmãos], era um sinal de estreita intimidade e amor, quando permitido. Era, portanto, atrevimento ou um insulto usá-lo sem permissão.***

*** Este sentimento não tinha, assim, nada a ver com “magia” ou com tabus, como são encontrados entre os homens.

Uma vez que, entretanto, os eldar eram por natureza imortais dentro de Arda, mas não eram absolutamente imutáveis, após algum tempo alguém poderia desejar um novo nome.† Ele podia então criar para si mesmo um novo nome escolhido. Mas este não anulava o nome anterior, que permanecia parte do “título completo” de qualquer noldo: esta é a seqüência de todos os nomes que foram adquiridos no decorrer da vida.

† Os eldar sustentavam que, à parte dos casos de doença e da destruição de seus corpos eles podiam, no decorrer de seus anos, exercitar e aproveitar todos os variados talentos de sua raça, de habilidade ou de tradição, embora em ordem e graus diferentes. Com tais mundaças de “modo mental” ou inwisti, sua lámatyávë também podia mudar. Mas tais mudanças ou progressões eram na verdade vistas principalmente entre os neri, pois as nissi, ainda que alcançassem a maturidade mais cedo, permaneciam então mais estáveis e menos desejosas por mudanças. [De acordo com os eldar, a única “marca” de qualquer pessoa que não estava sujeita a mudança era a diferença de sexo. Pois isto eles acreditavam pertencer não somente ao corpo [hröa], mas também à mente [indo] igualmente: isto é, à pessoa como um todo. Esta pessoa ou indivíduo, eles freqüentemente chamavam essë [que é “nome”], mas ela também era chamada erdë, ou “singularidade”. Aqueles que retornavam de Mandos, entretanto, após a morte de seu primeiro corpo, retornavam sempre ao mesmo nome e ao mesmo sexo como anteriormente.]

Estas mudanças deliberadas do nome escolhido não eram freqüentes. Havia outra fonte da variedade de nomes usados por qualquer um dos eldar, que na leitura de suas histórias, pode parecer-nos confusa. Esta era encontrada nos Anessi: os nomes dados ou adicionados]. Destes, os mais importantes eram os chamados “nomes-mãe”. As mães freqüentemente davam aos seus filhos nomes especiais de sua própria escolha. Os mais notáveis destes eram os “nomes de discernimento”, essë tercenyë, ou de “previdência”, apacenyë. Na hora do nascimento, ou em alguma outra ocasião de momento, a mãe podia dar um nome ao seu filho, indicando alguma característica dominante de sua natureza percebida por ela, ou alguma visão de seu destino especial. Estes nomes tinham autoridade, e eram considerados nomes verdadeiros quando conferidos solenemente, e eram públicos, não privados, se postos [como às vezes era feito] imediatamente após o nome-pai.

Todos os outros “nomes dados” não eram nomes autênticos e, de fato, podiam não ser reconhecidos pela pessoa a qual eles eram aplicados, a menos que eles fossem adotados ou dados a si próprio. Nomes, ou apelidos desse tipo, podiam ser dados por qualquer pessoa, não necessariamente por membros da mesma casa ou família, em memória de alguma façanha, ou evento, ou em sinal de alguma característica marcante de corpo ou mente. Eles raramente eram incluídos o “título completo”, mas quando o eram, por causa de seu amplo uso e fama, eles eram postos no final em alguma forma como esta: “por alguns chamado Telcontar” [que é Passolargo]; ou “às vezes conhecido como Mormacil” [que é Espada Negra].

Os amilessi tercenyë, ou nomes-mãe de discernimento, tinham uma posição elevada, e no uso geral substituíam algumas vezes, tanto dentro como fora da família, o nome-pai e o nome escolhido, embora o nome-pai [e o escolhido, entre aqueles dos eldar que tinham o costume da essecilmë] permanecesse sempre o nome verdadeiro ou primário, e uma parte necessária de qualquer “título completo”. Os “nomes de discernimento” eram dados mais frequëntemente nos dias antigos dos eldar, e naquela época eles caiam mais facilmente no uso público, pois ainda era o costume o nome-pai de um filho ser a modificação do nome do pai [como Finwë/Curufinwë] ou um patronímico [como Finwion “filho de Finwë”]. O nome-pai de uma filha era freqüentemente derivado do nome da mãe.

Exemplos célebres destas situações são encontrados nas histórias antigas. Assim Finwë, primeiro senhor dos noldor, primeiramente chamou seu filho mais velho de Finwion; mas posteriormente, quando seu talento foi revelado, este foi modificado para Curufinwë. Mas seu nome de discernimento que sua mãe Míriel lhe deu na hora do nascimento foi Fëanáro, “Espírito de Fogo”††, e por este nome ele tornou-se conhecido por todos, e assim ele é chamado em todas as histórias. [É dito que ele também tomou este nome como seu nome escolhido, em honra de sua mãe, que ele nunca viu.] Elwë, senhor dos teleri, tornou-se muito conhecido pelo anessë ou nome dado Sindicollo,”Manto Cinzento”, e daí em diante, na forma modificada da língua sindarin, ele foi chamado Elu Thingol. Thingol, de fato, era o nome mais usado para ele por outros, embora Elu ou Elu-thingol permanecesse seu título correto no seu próprio reino.

†† Embora a forma Fëanor, que é a mais usada com freqüência, fosse uma combinação do quenya Fëanáro e do sindarin Faenor.

3 – Da Morte e a Separação do Fëa e Hröa

Deve ser compreendido que o que já foi dito a respeito da casamento eldarin refere-se à sua natureza e curso normal em um mundo não-desfigurado, ou aos costumes daqueles não-corrompidos pela Sombra e aos dias de paz e ordem. Mas nada, como foi dito, evita completamente a Sombra sobre Arda ou é completamente intocado, a fim de prosseguir inabalado em seus caminhos naturais. Nos Dias Antigos, e nas eras anteriores ao Domínio dos Homens, houve épocas de grande dificuldade e muitos sofrimentos e acasos malígnos. E a morte atingiu todos os eldar, como o fez a todas as coisas vivas em Arda, salvo apenas os valar: pois a forma visível dos valar origina-se de sua própria vontade e com o intuito de tornar o seu verdadeiro ser mais parecido com as vestimentas de elfos e homens do que aos seus corpos.

Ora, os eldar são imortais dentro de Arda de acordo com sua própria natureza. Mas se um fëa [ou espírito] habita e mantém-se unido a um hröa [ou corpo físico] que não é de sua própria escolha mas sim ordenado, e é feito da carne ou substância da própria Arda, então o sucesso desta união seria vulnerável pelos males que infligem dor à Arda, mesmo se esta união fosse pela natureza e com propósito permanente. Pois a despeito desta união, que é de um tipo que, segundo a natureza não-desfigurada, nenhuma pessoa viva [encarnada] pode existir sem um fëa, nem sem um hröa, mesmo o fëa e o hröa não são a mesma coisa; e embora o fëa não possa ser partido ou desintegrado por qualquer violência exterior, o hröa pode ser ferido e completamente destruído.

Se então o hröa é destruído, ou tão ferido que sua saúde cesse, cedo ou tarde ele “morre”. Isto é: torna-se doloroso para o fëa habitá-lo, não sendo nem um auxílio à vida e à vontade, nem uma satisfação usá-lo, de forma que o fëa abandona-o e, sua função chegando a um fim, a coesão é desfeita, e ele retorna novamente à orma [matéria física] geral de Arda. Então o fëa torna-se, como no início, desabrigado, e fica invisível a olhos físicos [embora claramente perceptível pela consciência por outros fëar].

Esta destruição do hröa, causando a morte ou o desalojamento do fëa, foi logo experimentada pelos imortais eldar, quando despertaram no escurecido e desfigurado reino de Arda. Realmente, nos seus primeiros dias, a morte vinha mais facilmente, pois seus corpos eram então pouco diferentes dos corpos dos homens, e o domínio de seus espíritos sobre seus corpos menos completo.

Este domínio era, apesar de tudo, em qualquer época maior do que já foi entre os homens. Desde o início, a principal diferença entre os elfos e homens está no destino e na natureza de seus espíritos. Os fëar dos elfos eram destinados a habitar Arda por toda a vida de Arda, e a morte da carne não anulava este destino. Seus fëar eram tenazes por causa da vida “na vestimenta de Arda”, e de longe excediam os espíritos dos homens em poder sobre esta “vestimenta”, mesmo desde os primeiros dias, protegendo seus corpos de muitas enfermidades e agressões [tais como doenças], e curando-os rapidamente de ferimentos, de modo que eles recuperavam-se de ferimentos que mostravam-se fatais aos homens.

Com o passar das eras, o domínio de seus fëar sempre aumentava, “consumindo” seus corpos [como já foi mencionado]. O final desse processo é a sua “passagem”, como os homens o chamaram; pois o corpo torna-se finalmente, como o era, uma mera memória mantida pelo fëa; e este fim já foi alcançado em muitas regiões da Terra-média, de modo que os elfos são de fato imortais e não podem ser destruídos ou mudados. Tal o é que, quanto mais longe voltamos nas histórias, mais freqüentemente lemos sobre a morte dos elfos de antigamente; e nos dias quando as mentes dos eldalië eram jovens e ainda não totalmente despertas, a morte entre eles parecia diferir pouco da morte dos homens.

O que acontecia então ao fëa desabrigado? A resposta a esta pergunta os elfos não sabiam por natureza. Nos seus primórdios [assim eles relatam] eles acreditavam, ou imaginavam, que eles “entravam no Nada”, e terminavam como as outras coisas vivas que conheciam, mesmo como uma árvore que fora derrubada e queimada. Outros imaginavam mais sombriamente que eles passavam para o “Reino da Noite” e para o poder do “Senhor da Noite”. Essas opiniões eram claramente derivadas da Sombra sob a qual eles despertaram; e foi para libertá-los desta sombra em suas mentes, mais do que dos perigos de Arda desfigurada, que os valar desejaram levá-los para a luz de Aman.

Foi em Aman que aprenderam de Manwë que cada fëa era imperecível dentro da vida de Arda, e que seu destino era habitar Arda até o seu fim. Aqueles fëar, portanto, que no desfiguramento de Arda sofreram uma separação anormal de seus hröar, ainda permaneciam em Arda e no Tempo. Mas neste estado, eles estavam abertos à instrução e comando direto dos valar. Tão logo estivesem sem corpo, eles eram convocados a deixar os lugares de sua vida e morte e ir para os “Salões da Espera”: Mandos, no reino dos valar.

Se obedecessem a esta convocação, diferentes oportunidades apresentariam-se diante deles. O tempo que eles ficavam na Espera dependia parte da vontade de Námo, o Juiz, senhor de Mandos, parte de sua própria vontade. A maior das felicidades, eles julgavam, era após a Espera, renascer, pois então o mal e a tristeza que sofreram no encurtamento de seu curso natural podia ser reparado.

4 – Renascimento e outros destinos daqueles que vão para Mandos

Ora, os eldar diziam que, para cada criança élfica, um novo fëa é dado, não aparentado aos fëar dos pais [exceto pertencer à mesma ordem e natureza]; e este fëa ou não existia antes do nascimento, ou é o fëa de alguém renascido.

O novo fëa, e portanto no seu início todos os fëar, eles acreditavam vir diretamente de Eru e de além de Ëa. Logo, muitos deles sustentavam que não podia se afirmado que o destino dos elfos é estar confinado em Arda eternamente e com ela cessar sua existência. Esta última opinião eles inferiram de seu próprio pensamento, pois os valar, não tomando parte na concepção dos Filhos de Eru, não sabem completamente os propósitos de Eru a respeito deles, nem os objetivos finais que ele prepara para eles.

Mas eles não chegaram a estas opiniões de uma vez ou sem discordância. Em sua juventude, enquanto seu conhecimento e experiência eram pequenos e ainda não haviam recebido a instrução dos valar [ou não a tinham compreendido completamente], muitos ainda sustentavam que na criação de sua raça, Eru entregou-lhes este poder: gerar crianças iguais a eles em todos os aspectos, corporal e espiritualmente; e que, portanto, o FEA de uma criaça vinha de seus pais, assim como o hröa.

Contudo, alguns sempre discordaram dizendo: “De fato, uma pessoa viva pode parecer-se com os pais e ser vista como uma combinação, em vários graus, destes dois; mas esta semelhança é mais logicamente relacionada ao hröa. Ele é mais forte e mais nítido na juventude, enquanto o corpo é dominante e mais semelhante aos corpos de seus pais.” [Isto é verdadeiro para todas as crianças élficas.] “Visto que em todas as crianças, apesar de que em algumas possa ser mais marcante e logo aparente, existe uma parte da personalidade não compreendida pelo parentesco, ao qual pode ser inteiramente contrária. Esta diferença é mais claramente atribuída ao fëa, novo e não aparentado com os pais; pois ela torna-se mais forte e mais clara enquanto a vida prossegue e o fëa aumenta em supremacia.”

Posteriormente, quando os eldar tornaram-se cientes do renascimento, este argumento foi adicioado: “Se os fëar das crianças fossem normalmente derivados dos pais e a eles aparentados, então o renascimento seria antinatural e injusto. Pois ele privaria os novos pais, sem consentimento, de metade de sua linhagem, colocando em sua família uma criança em parte estranha a eles.”

Apesar de tudo, a opinião mais antiga não foi totalmente invalidada. Pois todos os eldar, estando cientes disto em si próprios, falavam da passagem de muita força, mental e corporal, para suas crianças, na concepção e no nascimento. Logo, eles sustentavam que o fëa, embora não criado, extrai energia dos pais antes do nascimento da criança: diretamente do fëa da mãe enquanto ela carrega e nutre o hröa, e igualmente através do pai, cujo fëa está unido com o da mãe e o suporta.

Era por esta razão que todos os pais desejavam viver juntos no ano da gestação, e consideravam a separação nessa época como uma tristeza e aflição, privando a criança de uma parte de sua família. “Pois”, diziam eles, “apesar da união dos fëar do casal não ser quebrada pela distância de lugares, mesmo em criaturas que vivem como espíritos encarnados, fëa somente comuna com fëa em sua totalidade quando os corpos estão juntos”.

Um fëa desabrigado que escolhera, ou ao qual fora permitido retornar à vida, entrava novamente no mundo encarnado através do parto. Somente desse modo ele poderia retornar.* Pois é evidente que a provisão de um lar corpóreo para o fëa, e a união do fëa com o hröa, era feita por Eru aos Filhos, para ser completada no ato da concepção.

* Salvo em raros e estranhos casos: isto é, onde o corpo que o fëa tivesse abandoado fosse intacto, e ainda permanecesse coeso e incorrupto. Mas isto poderia raramente acontecer; pois a morte contra a vontade somente podia ocorrer quando uma grande violência fosse causada ao corpo; e na morte pela vontade, tal como ocasionalmente acontecera por causa de cansaço absoluto ou grande pesar, o fëa não desejaria retornar, até que o corpo, deixado pelo espírito, estivesse dissolvido. Isto acontecia rapidamente na Terra-média. Somente em Aman não havia deterioração. Assim, Míriel lá foi realojada em seu próprio corpo, como é contado mais adiante.

Quanto a esse renascimento, ele não era uma opinião, mas conhecido e certo. Pois o fëa renascido de fato torna-se uma criança, desfrutando uma vez mais de todas as maravilhas e novidades da infância; mas lentamente, e somente após ter adquirido um conhecimento do mundo e o domínio de si mesmo, sua memória despertaria; até que, quando o elfo renascido fosse adulto, recordasse toda sua vida anterior, e então a antiga vida, e a “espera”, e a nova vida tornassem-se uma identidade e uma história ordenada. Esta memória possuiria assim uma satisfação dobrada pela infância, e também uma experiência e conhecimento maiores do que os anos de seu corpo. Deste modo, a violência ou pesar que o renascido sofrera eram reparados e seu ser era enriquecido. Pois os renascidos são duplamente instruídos e duplamente aparentados**, e possuem duas memórias da alegria de despertar e descobrir o mundo dos vivos e o esplendor de Arda. Sua vida é, portanto, como se um ano tivesse duas primaveras e, embora um frio fora de época seguisse-se após a primeira, a segunda primavera e todos os verões posteriores eram mais belos e abençoados.

** Em alguns casos, um fëa renascido poderia novamente ter os mesmos pais. Por exemplo, se seu primeiro corpo tivesse morrido muito jovem. Mas isto não acontecia freqüentemente; nem um fëa reingressava necessariamente na sua antiga família [ou casa], pois normalmente um grande espaço de tempo passava-se antes que desejasse ou lhe fosse permitido retornar.

Os eldar dizem que o renascimento por mais de uma vez é raramente registrado. Mas as razões para isto eles não sabem completamente. Talvez, seja ordenado pela vontade de Eru; enquanto os renascidos [eles dizem] são mais fortes, possuindo maior domínio de seus corpos e sendo mais resignados quanto ao sofrimento. Mas muitos, sem dúvida, que tenham morrido duas vezes, não desejam retornar.

O renascimento não é o único destino dos fëar desabrigados. A Sombra sobre Arda não causava apenas infortúnios e danos ao corpo. Ela podia corromper a mente; e aqueles entre os eldar que foram escurecidos em espírito realizavam feitos não naturais, e eram capazes de ódio e malícia. Nem todos que morreram sofreram inocentemente. Além disso, alguns fëar pesarosos e cansados abandonavam a esperança e, afastando-se da vida, abdicavam de seus corpos, mesmo que estes pudessem ser curados ou estivessem de fato ilesos.*** Poucos destes posteriormente desejavam renascer, não até que ficassem um longo período na “espera”; alguns nunca retornavam. Dos outros, os culpados, muitos eram mantidos por muito tempo na “espera”, e a alguns não era permitido retomar suas vidas novamente.

*** Apesar das tristezas poderem ser grandes e completamente não merecidas, e a morte [ou particularmente o abandono da vida] pudesse ser, então, compreensível e inocente, dizia-se que a recusa de retornar à vida, após o repouso em Mandos, era um erro, mostrando uma fraqueza ou falta de coragem do fëa.

Pois havia, para todos os fëar dos Mortos, um período de Espera, no qual, como quer que tenham morrido, eles eram corrigidos, instruídos, fortalecidos, ou confortados, de acordo com suas necessidades ou merecimento. Se eles assim o consentissem. Mas o fëa em sua nudez é obstinado, e permanece vinculado à sua memória e aos seus antigos propósitos [especialmente se estes eram malignos].

Aqueles que eram curados poderiam renascer, se o desejassem: ninguém é renascido ou mandado de volta à vida contra a vontade. Os outros permaneciam, por desejo ou por ordem, fëar sem forma, e podiam apenas observar o desenrolar do Conto de Arda de longe, não tendo efeito algum neste. Pois era uma sentença de Mandos que apenas aqueles que retornavam à vida podiam operar em Arda, ou comunicar-se com os fëar dos Vivos, mesmo com aqueles que haviam sido caros a eles.

A respeito do destino de outros elfos. especialmente dos elfos-escuros que recusaram o chamado à Aman, os eldar pouco sabem. Os renascidos relatam que em Mandos existem muitos elfos, e entre eles muitos dos Alamanyar [no Silmarillion, Úmanyar], mas que há, nos Salões da Espera, pouca mistura ou comunicação de raça com raça ou, na verdade, de qualquer fëa com outro. Pois o fëa desabrigado é solitário por natureza, e somente volta-se na direção daqueles com os quais, talvez, tivesse formado fortes laços de amor em vida.

O fëa é único e, no final, impregnável. Ele não pode ser levado a Mandos. Ele é convocado; e a convocação procede apenas da autoridade, e é imperativa; ainda assim, ela pode ser recusada. Entre aqueles que recusaram a convocação [ou melhor dizendo, convite] dos valar à Aman nos primeiros anos dos elfos, recusas às convocações a Mandos e aos Salões da Espera são,os eldar dizem, freqüentes. Isto era menos freqüente, entretanto, nos dias antigos, enquanto Morgoth estava em Arda, ou seu servo Sauron depois dele; pois então o fëa desabrigado fugiria aterrorizado da Sombra para qualquer refúgio – a não ser que já estivesse comprometido com a Escuridão e passado ao seu domínio. De qualquer maneira, mesmo alguns daqueles dos eldar que tornaram-se corrompidos recusavam a convocação, e então possuiam pouco poder para resistir às contraconvocações de Morgoth.

Mas pareceria que nestes dias posteriores mais e mais elfos, sejam eles dos eldalië em origem, sejam de outras raças, que demoram-se agora na Terra-média recusam a convocação de Mandos, e vagam desabrigados no mundo†, negando-se a deixá-lo e incapazes de habitá-lo, assombrando árvores, fontes ou lugares ocultos que conheciam. Nem todos destes são amigáveis ou intocados pela Sombra. De fato, a recusa à convocação é em si um sinal de mácula.

† Pois apenas aqueles que desejavam ir a Mandos podiam renascer. O renascimento é uma graça, e vem do poder que Eru entregou aos valar para governar Arda e a reparação de seu desfiguramento. Ele não situa-se no poder de qualquer fëa em si. Somente retornam aqueles que, após Mandos ter pronunciado a sentença de liberação, Manwë e Varda abençoam.

É, portanto, algo imprudente e arriscado, além de ser um ato errado proibido justamente pelos Governantes de Arda, os vivos tentarem se comunicar com os desencarnados, embora os desabrigados possam desejá-lo, especialmente os mais indignos entre eles. Pois os desencarnados, vagando pelo mundo, são aqueles que no mínimo recusaram a porta da vida e continuaram pesarosos e auto-piedosos. Alguns são preenchidos com rancor, desgosto e inveja. Alguns eram escravizados pelo Senhor do Escuro e ainda fazem o seu trabalho, apesar de ele ter partido. Eles não dirão verdades ou sabedoria. Apelar-lhes é uma tolice. Tentar dominá-los e fazê-los servos da própria vontade de alguém é perversidade. Tais práticas são as de Morgoth; e os necromantes são da hoste de Sauron, seu servo.

Alguns dizem que os desabrigados desejam corpos, apesar de não quererem fazê-lo legalmente pela submissão ao julgamento de Mandos. Os perversos entre eles tomarão corpos, se puderem, contra a lei. O perigo de comunicar-se com eles não é, entretanto, apenas o risco de ser iludido por fantasias ou mentiras: há também o perigo da destruição. Pois algum dos famintos desabrigados, se lhe for permitido a amizade de alguém vivo, pode procurar expulsar o fëa de seu corpo; e no duelo pelo domínio, o corpo pode ser gravemente ferido, mesmo se não for arrancado de seu habitante de direito. Ou o desabrigado pode implorar por abrigo e, se lhe for concedido, então ele procurará escravizar seu hospedeiro e usar tanto sua vontade como seu corpo para seus próprios propósitos. É dito que Sauron realizou tais atos, e ensinou seus seguidores com fazê-los.

[Assim pode ser visto que, aqueles que em dias posteriores acreditam que os elfos são perigosos para os homens e que é estupidez ou reprovável procurar conversar com eles, não o dizem sem razão. Pois como, pode ser perguntado, pode um mortal distinguir as raças? De um lado, os desabrigados, rebelam-se pelo menos contra os Governantes, e talvez mesmo mais profundamente sob a Sombra; do outro, os hesitantes, cujas formas corpóreas não podem mais ser vistas por nós mortais, ou enxergadas apenas vagamente e esporadicamente. Mesmo assim a resposta, na verdade, não é difícil. O mal não é uma coisa entre os elfos e outra entre os homens. Aqueles que dão conselhos malignos, ou pronunciam-se contra os Governantes [ou se ousarem, contra o Uno], são corrompidos, e devem ser evitados, encarnados ou desencarnados. Além disso, os hesitantes não são desabrigados, embora possam parecer. Eles não desejam corpos, nem procuram abrigo, nem aspiram ao domínio sobre corpo ou mente. De fato, eles não procuram conversar com os homens de nenhuma maneira exceto, talvez, raramente, para o feito de algum bem, ou porque percebem no espírito de um homem algum amor pelas coisas antigas e belas. Então eles podem revelar-lhe suas formas [apesar de que talvez sua mente compreenda apenas exteriormente], e ele irá contemplá-los em sua beleza. Destes ele pode não ter medo, embora possa sentir um temor por eles. Pois os desabrigados não possuem formas para revelar, e mesmo se estivesse ao alcance de seus poderes [como alguns homens dizem] imitar formas élficas, iludindo as mentes dos homens com fantasias, tais visões seriam distorcidas pelo mal de seu intento. Pois os corações de homens verdadeiros enchem-se de alegria ao contemplar as verdadeiras imagens dos Primogênitos, sua família mais antiga; e esta alegria nenhum mal pode reproduzir. Assim falou Ælfwine.]

Comentários

  1. Aviso: não li o texto em sua íntegra, mas tenho a edição anterior do mesmo e gostaria que me ajudassem em uma dúvida: o texto se aplica, em tese, a todos os elfos? Pergunto pois os eldar diferenciam-se em certo modo dos elfos que permaneceram na Terra-média. Ou não?
    Grata a quem puder ajudar.
    Beijos a todos.
    Carnillë

    1. Acho que somente em relação aos eldar (elfos da grande marcha, que.viveram em valinor). O termo eldar deixou de ser usado para designar todos os elfos assim que houve a grande cisão, os dividindo em eldar e avari (os relutantes, que viveram na terra-média).