Carta #25

[Em 16 de janeiro de 1938, o Observer publicou uma carta, assinada “Habit" (N.T.: Hábito, em inglês), perguntando se os hobbits poderiam ter sido sugeridos a Tolkien pelo relato de Julian Huxley sobre os ‘“pequenos homens peludos" vistos na África, por nativos e .... pelo menos um cientista’. O escritor da carta também mencionava que um amigo dissera que ‘ela se recordava de um velho conto de fadas chamado “O Hobbit", em uma coleção lida por volta de 1904’, na qual a criatura que tinha esse nome era “definitivamente assustadora". O(a) escritor(a) perguntou se Tolkien poderia “nos dizer um pouco mais sobre o nome e criação do intrigante herói deste livro. .... Muitos estudantes de pesquisa das próximas gerações ficariam livres de muito trabalho. E, aliás, estaria o furto da taça do dragão por parte do hobbit baseado no episódio do roubo da taça em Beowulf? Espero que sim, já que um dos charmes do livro parece ser sua harmonização Spenseriana das brilhantes linhas de tantas ramificações da literatura épica, mitológica e de contos de fada vitorianos’. A resposta de Tolkien, ainda que não com a intenção de ser publicada (veja a conclusão da nº 26), foi impressa no Observer em 20 de fevereiro de 1938.]

Senhor, – não preciso de persuasão: sou tão suscetível à bajulação quanto um dragão, e exibiria meu colete de diamantes, e até mesmo discutiria suas fontes, já que Habit (mais inquisitivo do que o Hobbit) não apenas professou admirá-lo, mas também perguntou de onde eu o tirei. Mas não seria isso deveras injusto para com os estudantes de pesquisa? Livrá-los do trabalho é tirar deles qualquer desculpa para existirem.

No entanto, em relação à pergunta principal de Habit, não há perigo: Eu não lembro de nada sobre o nome e a criação do herói. Eu poderia supor, é claro, mas as suposições não teriam mais autoridade do que as feitas pelos futuros pesquisadores, então deixo a brincadeira para eles.

Eu nasci na África, e li muitos livros sobre a exploração africana. Desde 1896, eu tenho lido mais livros ainda sobre contos de fadas do tipo genuíno. Ambos os fatos citados pelo Hábito parecem ser, portanto significantes.

Mas são mesmo? Eu não me lembro de pigmeus peludos (em livros ou à luz da lua); nem de qualquer hobbit bicho-papão impresso em 1904. Suspeito que os dois hobbits sejam homófonos, e fico satisfeito que não sejam (ao que parece) sinônimos. E faço a objeção de que meu hobbit não vivia na África, e não era peludo, exceto na área dos pés. E de fato não era como um coelho. Ele era um próspero e bem-alimentado solteiro de meios independentes. Chamá-lo de “pequeno coelho desagradável” é um pouco de gozação vulgar, assim como “descendente de ratos” é um pouco da malícia dos Anões – insultos deliberados à sua altura e pés, que o magoaram profundamente. Seus pés, se convenientemente revestidos e abrigados pela natureza, eram tão elegantes quanto seus dedos longos e astutos.

Quanto ao resto do conto, ele é, conforme Habit sugere, derivado (previamente condensado) de épico, mitologia e conto-de-fadas – mas não vitoriano em sua autoria, conforme a regra da qual George Macdonald é a única exceção. Beowulf está entre as minhas mais estimadas fontes; embora não estivesse conscientemente presente na mente no processo de escrever, no qual o episódio do furto surgiu naturalmente (e quase inevitavelmente) das circunstâncias. É difícil imaginar qualquer outro modo de conduzir a história naquele ponto. Eu acredito que o autor de Beowulf diria quase a mesma coisa.

Meu conto não está conscientemente baseado em nenhum outro livro – exceto um, e este não está publicado: o ‘Silmarillion’, uma história dos Elfos, aos quais alusões freqüentes são feitas. Não pensei nos futuros pesquisadores; e como há apenas um manuscrito, parece que, no momento, há poucas chances de que esta referência se torne útil.

Mas estas questões são meramente preliminares. Agora que me fizeram ver que as aventuras do Sr. Bolseiro serão objeto de futuros questionamentos, me dou conta de que muito trabalho será necessário. Há a questão da nomenclatura. Os nomes dos Anões, e dos magos, são do Antigo Edda. Os nomes de hobbits vêm das Fontes Óbvias próprias de sua espécie. A lista completa de suas famílias mais abastadas é: Bolseiro, Boffin, Bolger, Bracegirdle, Brandybuck, Burrowes, Chubb, Grubb, Horblower, Proudfoot, Sackville e Took. O dragão tem um nome – um pseudônimo – o passado do verbo Germânico primitivo Smugan, que é espremer-se por um buraco: uma mera brincadeira filológica. O resto dos nomes são do Mundo Antigo e Élfico, e não foram modernizados. E por que dwarves? A Gramática prescreve dwarfs, a filologia sugere que dwarrows seria a forma histórica. A verdadeira resposta é que eu não sabia melhor. Mas dwarves vai bem com elves, e, de qualquer forma, elf, gnome, goblien, dwarf são apenas traduções aproximadas dos nomes em Antigo Élfico para seres de tipos e funções não exatamente os mesmos.

Estes anões não são os mesmos anões de histórias mais conhecidas. Eles receberam nomes escandinavos, é verdade; mas isto é uma concessão editorial. Nomes em demasia nas línguas próprias do período tornariam-se algo alarmante. A língua dos Anões era tanto complicada quanto sofria de cacofonia. Mesmo os primeiros filólogos Élficos a evitavam, e os Anões eram obrigados a usar outras línguas, exceto nas conversas inteiramente privadas. A língua dos hobbits era notavelmente semelhante ao inglês, como era de se esperar: eles viviam apenas nas fronteiras do Mundo Selvagem, e não estavam totalmente a par disso. Os nomes de família permaneceram, na maioria, tão conhecidos e respeitados com justiça nesta ilha quanto o eram na Vila dos Hobbits e Beirágua.

Há o assunto das Runas. Aquelas usadas por Thorin e Cia., para razões especiais, estavam contidas em um alfabeto de 32 letras (lista completa sob pedido), similar, mas não idêntico, às Runas de inscrições Anglo-saxônicas. Há, sem dúvida, uma conexão histórica entre os dois. O alfabeto Feanoriano, geralmente usado naquela época, tinha origem Élfica. Aparece na maldição inscrita no pote de ouro, no desenho da morada de Smaug, mas foi diversamente transcrito (um facsimile da carta original, deixada sobre o consolo da lareira, pode ser providenciada). E o que dizer das Charadas? Há trabalho a ser feito aqui nas fontes e analogias. Não seria nenhuma surpresa para mim se tanto o hobbit quanto Gollum fossem desaprovados em sua pretensão de ter inventado qualquer uma delas.

Finalmente, presenteio o futuro pesquisador um pequeno problema. O conto parou em seu relato por cerca de um ano em dois pontos separados: onde estão? Mas, provavelmente, isto teria sido descoberto de qualquer maneira. E, de repente, me lembrei que o hobbit pensou “Velho tolo”, quando o dragão sucumbiu à palavras lisonjeiras. Temo que o comentário de Habit (e seu) já será o mesmo. Mas você deve admitir que a tentação era grande. Atenciosamente, etc, J.R.R. Tolkien.