Carta #144

[A Sra. Mitchison havia lido provas de páginas dos primeiros dois volumes da trilogia do Senhor dos Anéis, e escreveu a Tolkien com várias perguntas sobre o livro. A carta da leitora perdeu-se, mas Tolkien tinha uma cópia da resposta enviada]

25 de abril de 1954 76 Sandfield Road, Headington, Oxford

Cara Sra. Mitchison,

Foi rude e ingrato de minha parte não ter acusado o recebimento, ou não ter lhe agradecido pelas suas cartas, presentes, e lembranças anteriores – ainda mais assim, uma vez que seu interesse, de fato, tem sido para mim de grande consolo e encorajamento no desespero que naturalmente acompanha os labores de publicar tal trabalho como O Senhor dos Anéis. Mas o mais infortunado é que isto tenha coincidido com um período de trabalhos excepcionalmente árduos e deveres em outras funções, de forma que às vezes eu tenho estado quase que distraído.

Tentarei responder suas perguntas. Posso dizer que elas são muito bem-vindas. Gosto das coisas desenvolvidas em detalhes, e de respostas fornecidas a todas as perguntas razoáveis. Sua carta vai, eu espero, me guiar em escolher o tipo de informação a ser fornecida (como prometido) em um apêndice, e consolidar meu estilo com os editores. Uma vez que o terceiro volume será bem mais fino que o segundo (os eventos se movem mais rapidamente, e menos explicações são necessárias), haverá, eu acredito uma certa parcela de espaço para tal assunto. Meu problema não é a dificuldade de fornecê-lo, mas de escolher dentre todo o material que eu já compus.

Existe é claro um conflito entre técnica “literária”, e a fascinação de elaborar em detalhes uma Era mítica imaginária(mítica, não alegórica: minha mente não trabalha alegoricamente). Como uma história, eu penso que seja bom que houvesse muitas coisas inexplicadas (especialmente se uma explicação de fato existe); e talvez tenha deste ponto de vista errado em tentar explicar demais, e mostrar muita história passada. Por exemplo, muitos leitores ficaram um tanto perdidos no Conselho de Elrond. E até mesmo em uma Era mítica devem haver alguns enigmas, como sempre há. Tom Bombadil é um (intencionalmente).

Mas como muita história adicional (voltada ao passado) como qualquer um poderia desejar de fato existe no Silmarillion e histórias relacionadas e poemas, compondo a História dos Eldar (Elfos). Eu acredito que no caso (que espero que aconteça) de pessoas suficientes estarem interessadas em O Senhor dos Anéis para pagar o custo de sua publicação, os galantes editores possam considerar imprimir algo disso. O Silmarillion foi escrito, de fato, em primeiro lugar, e eu desejava ter a matéria emitida em ordem histórica, o que teria economizado muita alusão e explicação no livro presente. Mas não consegui que fosse aceito. O terceiro volume foi concluído, é claro, há anos atrás, até onde o conto vai. Terminei tal revisão, como parecia necessário, e irá ser montado quase imediatamente. Enquanto isso estou aplicando os fragmentos de tempo que tenho para fazer versões comprimidas de tal material histórico, etnográfico, e lingüístico para que possa entrar no Apêndice. Se lhe interessar, eu lhe enviarei uma cópia (bastante rústica) do material que lida com Idiomas (e Escrita), Povos e Tradução.

A última tem exigido muito raciocínio. Esta raramente parece ser considerada importante por outros criadores de mundos imaginários, porém talentosos como narradores (como Eddison). Entretanto sou um filólogo, e muito embora devesse gostar de ser mais preciso em outros aspectos e características culturais, isso não está dentro da minha competência. De qualquer maneira “o idioma” é o mais importante, pois a história tem que ser contada, e o diálogo conduzido em um idioma; mas o Inglês não pode ter sido o idioma de quaisquer povos naquele tempo. O que eu tenho de fato feito é comparar o Westron ou a amplamente propagada Língua Comum da Terceira Era com o inglês; e traduzir tudo, inclusive nomes como O Condado que estava no Westron em termos ingleses com alguma diferenciação de estilo para representar diferenças dialetais. Idiomas bastante diferentes da Língua Comum foram deixadas de lado. Com exceção de alguns fragmentos da Fala Negra de Mordor, e alguns nomes e um grito de batalha no Idioma dos Anões, esses são quase totalmente Élficos (Eldarin).

Porém, Idiomas que eram relacionados ao Westron apresentaram um problema especial. Eu os transformei em formas de Língua relacionadas ao inglês. Uma vez que os Rohirrim são representados como recém chegados do Norte, e usuários de um idioma Masculino arcaico relativamente não afetado pela influência do Eldarin, eu transformei os seus nomes em formas como (mas não idênticas a) o Inglês Antigo. O idioma de Vale e do Grande Lago iria, se aparecesse, ser representado como mais ou menos Escandinavo em caráter; mas somente é representado por alguns nomes, especialmente aqueles dos Anões que vieram daquela região. Estes são todos nomes Escandinavos Antigos dos Anões.

Anões são representados como mantendo a sua própria língua nativa mais ou menos secreta, e usando para todos propósitos “exteriores” o idioma dos povos que morassem próximos; eles nunca revelam os seus próprios “verdadeiros” nomes pessoais na sua própria língua.)

Supõe-se que o Westron ou Língua Comum seja derivado do viril idioma Adunaico Númenoriano, difundido dos Reinos Númenorianos nos dias dos Reis, e especialmente de Gondor onde permanece falado em estilo mais nobre e bastante mais antigo (um estilo também usualmente adotado pelos Elfos quando eles usam este idioma). Mas todos os nomes em Gondor, com exceção de alguns de origem supostamente pré-histórica, são de forma Élfica, uma vez que a nobreza Númenoriana ainda usava um idioma Élfico, ou poderia usar. Isto era porque eles tinham sido aliados dos Elfos na Primeira Era, e por essa razão à eles tinha sido concedida a ilha Atlântida de Númenor. Duas das línguas Élficas aparecem neste livro. Elas têm algum tipo de existência, uma vez que as compus com alguma integralidade, como também a sua história e descrição da sua relação. Elas são planejadas (a) para serem definitivamente de um tipo Europeu em estilo e estrutura (não em detalhes); e (b) para serem especialmente agradáveis. O primeiro não é difícil de alcançar; mas o último é mais difícil, uma vez que as predileções pessoais dos indivíduos, especialmente na estrutura fonética de idiomas, varia amplamente, até mesmo quando modificadas pelos idiomas impostos (incluindo sua denominada língua “nativa”).

Entretanto, agradei a mim mesmo. O idioma arcaico de tradição é tencionado para ser um tipo de “Latim-Élfico”, e transcrevendo-o em uma ortografia que se assemelha proximamente aquela do Latim (exceto que o y só é usado como uma consoante, como y em Inglês Yes) a semelhança com o Latim foi aumentada visivelmente. De fato poderia ser dito que é composto em uma base de Latim com dois outros ingredientes (principais) que ocorrem para me dar “prazer fonoestético”: Finlandês e Grego. É, porém menos consonantal que qualquer dos três. Este idioma é chamado de Alto-Élfico ou em seus próprios termos, Quenya.

O idioma ativo dos Elfos Ocidentais (Sindarin ou Elfos-cinzentos) é o idioma usualmente encontrado, especialmente em nomes. Este é derivado de uma origem comum a este e ao Quenya; mas as mudanças foram deliberadamente inventadas para conferir a este um caráter lingüístico muito semelhante (entretanto não idêntico) ao Galês Britânico: porque esse é um caráter que eu acho, em alguns modos lingüísticos, muito atraente; e porque parece se ajustar com o estilo bastante “Céltico” de lendas e histórias contadas por seus oradores.

“Elfos” é uma tradução, talvez agora não muito satisfatória, mas originalmente boa o bastante, da palavra Quendi. São representados como uma raça semelhante em aparência (e mais ainda ao passado longínquo) aos Homens, e em dias antigos da mesma estatura. Eu não entrarei aqui nas suas diferenças dos Homens! Mas eu suponho que os Quendi são de fato nestas histórias muito pouco aparentados com os Elfos e Fadas da Europa; e se eu fosse pressionado a racionalizar, eu deveria dizer que eles realmente representam os Homens com faculdades estéticas e criativas prodigiosamente desenvolvidas, maior beleza e vida mais longa, e nobreza – os Primogênitos, predestinados a desaparecer antes dos Seguidores (os Homens), e em última instância a viver somente pela linha fina do seu sangue que fora misturado com aquele dos Homens, dentre os quais estava o único clamor real para “nobreza”.

Eles são representados como tendo ficado logo divididos em duas ou três, variedades. 1º, Os Eldar que ouviram a convocação dos Valar ou dos Poderes para passar da Terra-média através do Mar para o Oeste; e 2º, os Elfos Inferiores que não responderam a este chamado. A maioria dos Eldar depois de uma grande marcha chegou às Orlas Ocidentais e passaram através do Mar; estes eram os Altos Elfos que cresceram imensamente em poderes e conhecimento. Mas parte deles na ocasião permaneceu nas terras costeiras do Noroeste: estes eram os Sindar ou Elfos Cinzentos. Os Elfos inferiores dificilmente aparecem, exceto como parte dos povos do Reino dos Elfos; da Floresta das Trevas Do norte, e de Lórien, regidas pelos Eldar; seus idiomas não aparecem.

Os Altos Elfos encontrados neste livro são Exilados, que retornaram através do Mar para a Terra-média, depois de eventos que são a questão principal do Silmarillion, parte de um dos principais clãs dos Eldar: os Noldor (os Mestres da Tradição). Ou melhor, um último vestígio destes. Pois o próprio Silmarillion e a Primeira Era terminaram com a destruição do mais antigo Senhor do Escuro (de quem Sauron era um mero tenente), e a reabilitação dos Exilados que voltaram novamente através do Mar. Aqueles que hesitaram eram aqueles que estavam apaixonados pela Terra-média e ainda desejavam a beleza inalterada da Terra dos Valar. Por isso a fabricação dos Anéis; pois os Três Anéis foram precisamente dotados com o poder da preservação, não do nascimento. Embora inviolados, porque eles não foram feitos por Sauron nem foram tocados por ele, eles eram, todavia parcialmente produtos da sua instrução, e em última instância estavam sob o controle do Um Anel. Assim, como você verá, quando o Um se vai, os últimos defensores da tradição e da beleza dos Altos-Elfos são despojados de poder para deter o tempo, e partem.

Eu sinto muito pela Geografia. Deve ter sido terrivelmente difícil sem um mapa ou mapas. Haverá no volume I um mapa de parte do Condado e um mapa geral em pequena escala do cenário inteiro de ação e referência (de qual o mapa ao término de O Hobbit é o canto Nordeste). Estes foram desenhados a partir de mapas menos elegantes pelo meu filho, Christopher, que é instruído neste conhecimento. Mas tive só uma prova e essa teve que voltar. Eu comecei sabiamente com um mapa, e fiz a história ajustada a este mesmo mapa (geralmente com cuidado meticuloso para distâncias). O outro modo quase conduz a pessoa a confusões e impossibilidades, e em todo caso é um trabalho cansativo compor um mapa a partir de uma história – como eu receio que você tenha descoberto.

Não posso enviar-lhe meus próprios mapas de trabalho; mas talvez estes desenhos muito rústicos e não inteiramente precisos, feitos apressadamente e em momentos diferentes para os leitores, seriam de alguma ajuda. Talvez quando a senhora tiver terminado com estes mapas ou feito algumas notas não se importe em os mandar de volta. Eu os acharei úteis para fazer alguns mais; mas não posso dar conta disso ainda. Posso dizer que os mapas de meu filho são lindamente claros, até onde a redução na reprodução permite; mas eles não contêm tudo, ai de mim!

Algumas respostas aleatórias. Dragões. Eles não tinham sido extintos; uma vez que estiveram ativos muito tempo mais tarde, próximo do nosso próprio tempo. Eu disse alguma coisa que sugerisse o desfecho final dos dragões? Se disse deveria ser alterado. A única passagem de que posso pensar é no Vol. I pág. 63: “mas hoje em dia não sobrou nenhum dragão na terra cujo velho fogo seja quente o suficiente”. Mas isso implica, eu penso, que ainda há dragões, se não com a sua completa estatura primitiva. Eu tenho uma longa tabela histórica de eventos do princípio ao Fim da Terceira Era. Está bastante cheia; mas concordo que uma forma pequena, contendo eventos importante para este conto seria bastante útil. Se você quiser cópias datilografadas de algum deste material: ex. Os Anéis de Poder; A Queda de Númenor; as Listas dos Herdeiros de Elendil; a Casa de Eorl (Genealogia); Genealogia de Durin e dos Senhores-Anões de Moria; e O Conto dos Anos (especialmente aqueles da Segunda e Terceira Eras), eu tentarei e conseguirei estas cópias logo.

Orcs (a palavra é até onde me diz respeito derivada de fato do Inglês Antigo orc “demon”, mas só por causa de sua adequação fonética) não é em nenhuma parte claramente declarado para ser de qualquer origem em particular. Mas uma vez que eles são os servos do primeiro Senhor do Escuro, e depois de Sauron, nenhum dos quais poderia, ou iria, produzir coisas viventes, eles devem ser “corrupções”. Eles não são baseados em minha experiência direta; mas devem, suponho, uma boa parte a tradição dos goblins (orcs) (goblin é usado como uma tradução em O Hobbit onde orc só ocorre uma vez, eu acho), especialmente como aparece em George MacDonald, exceto pelos pés macios nos quais nunca acreditei. O nome tem a forma orch (plural yrch) em Sindarin, e uruk na Fala Negra de Mordor.

A Fala Negra só era usada em Mordor; só ocorre na inscrição do Anel, e uma oração articulada pelos Orcs de Barad-dûr¹ e na palavra Nazgûl (cf. nazg na inscrição do Anel). A Fala Negra nunca era usada espontaneamente por quaisquer outras pessoas, e conseqüentemente até mesmo os nomes de lugares em Mordor estão em inglês (para a Língua Comum) ou Élfico. Morannon é justamente Élfico para Portão Negro; cf. Mordor significa Terra Negra, Mor-ia Fenda Negra, Mor-thond Raiz-negra (nome de um rio). Rohir-rim é o nome Élfico (Gondoriano) para as pessoas que se chamavam os Cavaleiros do Marco ou Eorlingas. A formação não é planejada para se assemelhar ao hebreu. Os idiomas Eldarin distinguem em formas e uso entre um “partitivo” ou plural “particular”, e o plural geral ou total. Assim yrch “orcs, alguns orcs, des orques” ocorreu nas págs. 359 e 404; os Orcs, como uma raça, ou o todo de um grupo previamente mencionado teria sido orchoth. Em Élfico-Cinzento os plurais gerais muito freqüentemente eram feitos por adição a um nome (ou a um nome de lugar) alguma palavra significando “tribo, tropa, horda, povo”. Assim Haradrim os Sulistas: Quenya rimbe, Sindarin rim, tropa; Onod-rim os Ents. Os Rohirrim é derivado de roch (Quenya rokko) cavalo, e a raiz Élfica kher – “possuir”; de onde Sindarin Rochir “senhor dos cavalos”, e Rochir-rim “a tropa dos Senhores dos cavalos”. Na pronúncia de Gondor o ch (como em Alemão, Galês, etc) tinha sido suavizado a um som de h; assim em Rochann “Hippia” para Rohan.

Beorn está morto; veja pág. 237. Ele apareceu em O Hobbit. Era então o ano 2940 da Terceira Era (Na contagem do Condado 1340). Nós estamos agora nos anos 3018-19 (1418-19). Entretanto, apesar de sua mudança de forma que sem nenhuma dúvida tinha um pouco de magia, Beorn era um Homem.

Tom Bombadil não é uma pessoa importante – para a narrativa. Eu suponho que ele tenha um pouco de importância como um “comentário”. Eu quero dizer, realmente não escrevo assim: ele é apenas uma invenção (que apareceu primeiro na Oxford Magazine por volta de 1933), e representa algo que sinto ser muito importante, embora não esteja preparado para analisar este sentimento precisamente. Porém, não o teria deixado lá, se ele não tivesse algum tipo de função. Poderia pôr isto deste modo. A história é projetada em termos de um lado bom, e um lado mau, beleza contra feiúra desumana, tirania contra monarquia, liberdade moderada com consentimento contra compulsão que perdeu há muito tempo qualquer objetivo exceto mero poder, e assim por diante; mas ambos os lados em algum grau, conservador ou destrutivo, querem uma medida de controle. Mas se você tem, como se fosse tomado “um voto de pobreza”, controle renunciado, e tira seu encanto em coisas para eles mesmos sem referência para você, assistindo, observando, e até certo ponto sabendo, então a questão dos certos e errados do poder e controle poderia ficar totalmente sem sentido para você, e os meios de poder completamente sem valor. É uma visão pacifista natural que sempre surge na mente quando há uma guerra. Mas a visão de Valfenda parece ser que esta é uma excelente coisa para se ter representada, mas que há de fato coisas que não se pode enfrentar; e das quais sua existência todavia depende. No final das contas só a vitória do Oeste permitirá a Bombadil continuar, ou até mesmo sobreviver. Nada seria deixado para ele no mundo de Sauron.

Na minha mente Tom não tem nenhuma ligação•mente com as Entesposas. O que aconteceu com elas não está resolvido neste livro. Ele é, de certo modo, a resposta para elas no sentido de que é quase o oposto, sendo digamos, Botânica e Zoologia (como ciências) da Poesia, como oposto a Pecuária e Agricultura da praticidade.

Eu acho que de fato as Entesposas tenham desaparecido para sempre, sendo destruídas com os seus jardins na Guerra da Última Aliança (Segunda Era 3429-3441) quando Sauron adotou uma política de devastação da terra, e queimou seus campos tentando retardar o avanço dos Aliados que desciam o Anduin². Elas só sobreviveram na “agricultura” transmitida aos Homens (e Hobbits). Algumas, naturalmente, podem ter fugido para o leste, ou até mesmo foram escravizadas: tiranos até mesmo em tais contos devem ter uma base econômica e agrícola para os seus soldados e forjadores. Se qualquer uma sobreviveu então, elas realmente seriam agora muito estranhas aos Ents, e qualquer reaproximação seria difícil – a menos que a experiência da agricultura industrializada e militarizada as tivesse feito um pouco mais anárquicas. Eu espero que sim. Não sei.

As crianças Hobbits eram adoráveis, mas eu receio que os únicos vislumbres delas neste livro são encontrados no começo do volume I. Um epílogo que dá um vislumbre adicional (entretanto de uma família bastante excepcional) foi tão universalmente condenado que decidi não inseri-lo no livro. Deve-se parar em algum lugar. Sim, Sam Gamgi é de certo modo uma relação de Dr. Gamgee, e o seu nome não teria tomado aquela forma, se eu não tivesse ouvido falar do “tecido de Gamge”; havia, eu acredito, um Dr. Gamgee (sem dúvida da família) em Birmingham quando eu era criança. O nome foi de qualquer modo sempre familiar para mim. Gaffer Gamgi surgiu primeiro: ele era um personagem lendário para meus filhos (baseado em um capataz da vida real, não naquele nome). Mas, como você achará explicado, neste conto o nome é uma “tradução” de um verdadeiro nome Hobbit, derivado de uma aldeia (dedicada à feitura de cordas) anglicanizado como Gamwich (pronúncia Gammidge), perto do Campo da Corda³. Uma vez que Sam era amigo íntimo da família Villa (outro nome de aldeia), fui levado à brincadeira Hobbit de ortografia Gamwichy Gamgi, embora não ache que no verdadeiro dialeto Hobbit a brincadeira desse certo.

Não há oponentes específicos aos Magos – uma tradução (talvez não satisfatória, mas inteiramente distinta de outros termos “mágicos”) do Quenya Élfico, Istari. A origem deles não era conhecida por qualquer um exceto uns poucos (como Elrond e Galadriel) na Terceira Era. Diz-se que apareceram primeiro por volta do ano 1000 da Terceira Era, quando a sombra de Sauron começou a crescer novamente sob uma nova forma. Eles sempre pareceram velhos, mas ficaram mais velhos com os seus trabalhos, lentamente, e desapareceram com o fim dos Anéis. Acreditava-se serem Emissários (nos termos deste conto vindos do Oeste Distante além do Mar), e suas funções própria, mantida por Gandalf, e pervertida por Saruman, era encorajar e instigar os poderes nativos dos Inimigos de Sauron. O oposto de Gandalf era, estritamente, Sauron, em uma parte das operações de Sauron; como Aragorn era na outra.

O Balrog é um sobrevivente do Silmarillion e das lendas da Primeira Era. Assim como Laracna. Os Balrogs, de quem os chicotes eram as armas principais, eram os mais antigos espíritos de fogo destruidor, principais servos do Senhor do Escuro da Primeira Era. Supunha-se que eles tivessem sido todos destruídos na queda das Thangorodrim, sua fortaleza no Norte. Mas aqui descobre-se (normalmente há um remanescente especialmente do mal de uma era para outra) que um deles tinha escapado e refugiado-se sob as montanhas de Hithaeglin(as Montanhas Sombrias). É interessante observar que só Legolas, o elfo, sabe o que a coisa era – e indubitavelmente Gandalf.

Laracna (representando a Língua Comum em inglês “she-lob “ = aranha fêmea) é uma tradução de Élfico Ungol “aranha”. Ela é apresentada como descendente das aranhas gigantes dos vales de Nandungorthin, que encontram-se nas lendas da Primeira Era, especialmente a principal delas, o conto de Beren e Lúthien. Esta é constantemente citada, uma vez que como mesmo Sam nota4 esta história é de certo modo só uma continuação adicional desta lenda. Ambos Elrond (e a sua filha Arwen Undómiel, que se assemelha intimamente a Lúthien em aparência e destino) são descendentes de Beren e Lúthien; e assim como Aragorn, porém muito mais afastado. As aranhas gigantes eram nada mais que descendentes de Ungoliant a mais antiga devoradora de luz, que em forma de aranha ajudou o Senhor do Escuro, mas no final disputou com ele. Não há assim nenhuma aliança entre Laracna e Sauron, o representante do Senhor do Escuro; só um ódio comum.

Galadriel é tão antiga ou mais antiga que Laracna. Ela é a última remanescente dos Grandes entre os Altos-Elfos, e “despertou” em Eldamar, além do Mar, muito antes que Ungoliant viesse para a Terra-média e produzisse suas ninhadas lá…

Bem, depois de um longo silêncio você evocou uma resposta razoavelmente longa. Não longa demais, eu espero, até mesmo para tal interesse delicioso e encorajador. Estou profundamente grato por isso; e espero que todos que moram em Carradale aceitem meus agradecimentos. Sinceramente seu,

J. R. R. Tolkien.

Citações:

1. “Uglúk u bagronk sha pushdug Saruman-glob búbhosh skai.” ADT, pág. 465, ed. unificada;

2. “… enquanto que os jardins das Entesposas estão abandonados: os homens os chamam agora de Terras Castanhas.” ADT, pág. 498, ed. unificada;

3. “Meu bisavô e meu tio Andy depois dele,…. ele teve uma cordoaria perto do Campo da Corda por muitos anos.“ ADT, pág. 642, ed. unificada;

4. “Veja só, pensando assim, estamos ainda na mesma história! Ela está continuando. Será que as grandes histórias nunca terminam?” ADT, pág. 751, ed. unificada.