O 13º Videoblog e 5º Clipe de Cena Inédita de “A Desolação de Smaug”!

dos89-cb210126

Os fãs da Terra-média estão com muita sorte nesta semana! Depois de liberar vídeos de bastidores e clipes de cenas de O Hobbit: A Desolação de Smaug, Peter Jackson e a Warner lançaram agora o 13º Videoblog da produção do filme. Nele você terá uma visão dos bastidores do covil de Smaug, entre outras coisas. Além disso, mais um quinto clipe de cena inédita – Into the Barrels! E mais um vídeo completo com cenas de bastidores. Confira os vídeos abaixo. Mas cuidado, os 3 vídeos a seguir são puro SPOILER!

 

E se para você isso não é o bastante,  pode também assistir um vídeo completo com cenas dos bastidores de A Desolação de Smaug:

Comentários

  1. Por Eru, é muita coisa!
    Falta apenas uma semana, o jeito é tentar se segurar e guardar as surpresas pro momento certo! :D

  2. http://www.empireonline.com/reviews/reviewcomplete.asp?FID=137814 E então, alguem tinha mais alguma duvida que o filme ia ter merda depois deste triangulo amoroso??? Decepcionado PJ, muito decepcionante. Para que não leu, o filme segundo a critica, termina quando o dragão se enfurece e treme a montanha. Será um impressionante final, mostrando uma demonstração do poderio de mais de 50 (acho) metros de dragão. Veremos se os prós superam os contras. Que chegue até mim sexta logo. Não estou tão entusiasmado quanto ao primeiro. Este me fez ter medo de ver e ter certeza que a obra foi pro brejo.

  3. errei no site em cima mas vou mostra um comentario da critica omelete
    alguns SPOILER! abaixo
    Hobbit – A Desolação de Smaug tem duas
    diferenças fundamentais em relação a seu antecessor .
    A primeira é o foco em um tema. A segunda é a ação
    extremamente bem contextualizada.
    O tema em questão é a ganância . Basicamente , todos
    os personagens de O Hobbit enfrentam o desejo pela
    obtenção de algo e precisam lidar com esse
    sentimento. Todos têm o potencial de se transformar
    nos grandes antagonistas do filme, o dragão Smaug
    (Benedict Cumberbatch ), o Mestre da Cidade do Lago
    (Stephen Fry ) ou o Necromante (também
    Cumberbatch). Bilbo começa a lidar com a nefasta
    influência do anel que obteve de Gollum, os anões –
    em especial Thorin (Richard Armitage) – enfrentam a
    ânsia pelo ouro e até Legolas (Orlando Bloom) cobiça a
    elfa que não pode ter.
    Dessa forma , este segundo O Hobbit é muito mais
    sombrio e adulto que o primeiro e divertido filme.
    Qualquer comparação com o Império Contra-Ataca não
    é exagero, já que o arco pelo qual passam os
    personagens é bastante parecido – e o final ( ou a
    ausência dele ) igualmente agonizante.
    Para quebrar o tom melancólico , Peter Jackson
    emprega empolgantes cenas de ação, sem muito
    espaço para o humor. As batalhas são de uma fluidez
    sem igual , com dezenas de coisas acontecendo em tela
    e tudo absolutamente bem isolado . É possível
    acompanhar os acontecimentos sem problemas. Os
    anões funcionam como uma unidade de combate cuja
    eficiência letal é mascarada pelas formas divertidas .
    Enquanto isso , os elfos parecem saídos de um anime,
    dada a sua elegância e velocidade. Contra todos , orcs
    destilam ferocidade. A sequência em que as três
    facções engalfinham- se na descida do rio é memorável .
    Para tanto , Peter Jackson e as roteiristas Fran Walsh e
    Philippa Boyens tomam mais uma grande dose de
    liberdade poética sobre a obra de J.R .R . Tolkien . A elfa
    criada especificamente para o filme, Tauriel
    (Evangeline Lilly ) é uma Arwen mais selvagem ,
    enquanto os humanos da Cidade do Lago ganham
    espaço e desenvolvimento que não existe no livro. O
    arqueiro Bard ( Luke Evans ) vira uma espécie de
    revolucionário contra a opressão do Mestre da Cidade e
    seus asseclas e até o orc Azog, apresentado no
    primeiro filme, ganha relevância nos segmentos que
    exploram os posfácios de O Senhor dos Anéis , com a
    missão de Gandalf (Ian McKellen ) em busca da
    verdade sobre o Necromante .
    Se há algo negativo em O Hobbit – A Desolação de
    Smaug é o didatismo. Personagens diversos referem- se
    ao anel de Bilbo como ” o Precioso” , para deixar claro
    sua possibilidade de derrocada ao “lado negro” . Os
    mesmos explicam inúmeras vezes que o ouro dos
    anões , hoje de posse do dragão , é capaz de
    transformar a índole de qualquer um . Ou seja, não
    cabe ao público apreciar as mudanças… todos os
    personagens as explicam o tempo todo.
    Nada disso é de grande relevância, porém , quando
    surge o mais belo dragão já criado nas telas. Smaug, o
    Magnífico , enche os olhos e move – se com peso e
    ameaça (sem falar no vozeirão de Cumberbatch), em
    um cenário absurdamente bem trabalhado. Todo o
    clímax em Erebor, a montanha dos anões , é
    espetacular – e seria perfeito não fosse a interrupção
    indesejada do filme, que continua apenas em 2014,
    com O Hobbit – Lá e de Volta Outra Vez. Se serve como
    prêmio de consolação, ao menos o último filme
    promete a maior batalha já vista no cinema . Até lá , só
    nos resta avaliar este segmento inacabado, apostando
    no desfecho à altura do que foi criado até aqui .

  4. Hehehe! Pelo jeito tem gente bem desinformada em!? :D
    Até agora todas as resenhas estão sendo extremamente positivas, sendo que a maioria delas dizendo que o filme é muito superior ao anterior e com muito mais ritmo!
    Ah, e não poderia me esquecer! Vi gente comentando que já havia um “consenso” entre os fãs de que esse filme seria definitivamente uma merda, mas pelo que eu vi as três resenhas do The One Ring falaram muito bem do filme! E eles não são menos fãs do que nós, né? Ou são? :)
    Chega logo, dia 13! :D

    1. Concordo com você amigo, não é maldade da minha parte….mas são sempre as mesmas pessoas !! Infelizmente pegaram “Birra ” do filme. Respeito estes caras, mas enche o saco !! Reclame DEPOIS ao menos….Já compre seu ingresso Raphael hehehehe.