Peter Jackson fala sobre O Hobbit com o Primeiro Ministro

Jackson e equipe em busca de locações - segundo videoblog da produção

 

O TheOneRing.net publicou a transcrição da entrevista que o diretor Peter Jackson deu ao Primeiro Ministro neozelandês, John Key, na estação Radio Live. Abaixo, a tradução das partes de maior interesse (obrigado pela dica, Adão Ferri!):

 

PM John Key: […] Diga-me como é que vai com O Hobbit, meu amigo?

Sir Peter Jackson: Estou indo bem. Eu acho que este é dia 94 ou 95, eu meio que devo ter perdido um pouco a noção, as filmagem vão durar por cerca de 250 dias, por isso é uma longa, longa filmagem – mas vai bem! Temos 30 goblins no set hoje e 12/13 anões e um hobbit – é um dia muito lento, na verdade, temos um monte de gente em roupas de borracha que são muito claustrofóbicas, então eles precisam parar para beber e colocar suas cabeças para fora e respirar por alguns minutos, por isso é muito lento.

 

PM John Key: […] vamos aos goblins – Eles estão bem comportados, como eles se comportam?

Sir Peter Jackson: Eles são caras bem comportados, mas temos que lhes dar ar – nós temos tubos de ar comprimido e colocamos este ar por baixo dos seus trajes de vez em quando para lhes dar uma lufada de ar fresco e, em seguida, eles continuam. Mas sim, eles são pequenos, travessos e muito malvados.

 

 PM John Key: E por quanto tempo você vai continuar filmando?

Sir Peter Jackson: Nós vamos filmar até o meio do ano que vem …

 

P M John Key: Uau…

Sir Peter Jackson: É um longo, longo caminho. E eu devo dizer que é estranho, porque nós estamos levando o mesmo tempo para filmar dois filmes do O Hobbit que levamos para filmar os três do O Senhor dos Anéis – Eu não tenho certeza do motivo – mas é um longo tempo.

 

PM John Key: Será que é porque é mais complexo ou tem mais detalhes ou…?

Sir Peter Jackson: Ah… eu não sei, tudo é complexo, o seu dia a dia é um desafio – Eu acho que a melhor coisa sobre fazer um filme é que você nunca tem dois dias que são iguais – por exemplo, ontem passamos o dia todo no meio de uma tempestade. Tivemos trovão, relâmpago, a chuva – tivemos anões andando por um caminho rochoso na encosta de um penhasco. Então passamos o dia inteiro com anões sendo encharcados pela água, que foi meio divertido… mas eles não apreciaram muito – e hoje nós temos chama, fogo e goblins – assim, cada dia é diferente, de modo que você não pode relaxar, você tem de ir trabalhar diariamente e com muitos problemas e dificuldades e tudo o mais, o que, bem … certamente o torna interessante.

 

PM John Key: Então você tem algumas locações externas e algumas filmagens contra a tela verde em Miramar, é isso?

Sir Peter Jackson: Sim, estaremos filmando em locações em cerca de 2 ou 3 semanas e começamos a classificá-las. Nós começamos a filmar em março e fizemos lá no estúdio, principalmente por causa do inverno – você sabe, não é só pelo mau tempo, mas você também tem dias curtos – quando você está filmando fora você quer luz do dia, tanto quanto você puder ter, assim, normalmente, queremos filmar durante 12 horas, o que não é possível durante o inverno, quando escurece cedo. Então nós adiantamos as filmagens de estúdio no inverno, e estamos prestes a ir para as locações na primavera, por isso vai ser bom.

 

Um goblin sendo preparado pela equipe de Jackson – primeiro videoblog da produção

 

PM John Key: Então O Hobbit vai ser um dos filmes mais caros já feitos?

Sir Peter Jackson: Provavelmente. Provavelmente, sim – Quero dizer, com certeza há um monte de dinheiro para os dois filmes, mas individualmente eles são caros, mas não o filme mais caro.

 

PM John Key: Correndo o risco de pedir-lhe para escolher entre os seus filhos, qual é o seu filme favorito, que você fez?

Sir Peter Jackson: Filme favorito que eu já fiz? Oh, eu não sei, quero dizer, é difícil, eu nunca assisto meus filmes, este é o problema, eu literalmente nunca os vi depois que eu os terminei. Ocasionalmente, se eu estou em algum lugar, em um hotel e eu troco os canais e encontro um dos meus filmes passando, eu meio que os vejo por 2 ou 3 minutos apenas, só por curiosidade (risos) e, em seguida, todas as lembranças começam a voltar e eu mudo de canal. Então eu não sei – eu devo admitir que tenho um desejo real de assistir novamente, e eu não vi mais, ‘Meet the Feebles’ que fizemos por volta 1989. Não o vejo por quase 15 anos, acho – 15/16 anos, então eu não me importaria de vê-lo de novo. Não sei se é o meu favorito, então eu vou ter que esperar e ver.

 

PM John Key: O que faz você olhar para um livro e dizer que vai ser um vencedor? Quero dizer, o que fez você olhar para o trabalho de Tolkien e dizer ‘eu posso transportá-lo para a tela grande’?

Sir Peter Jackson: Bem, você nunca sabe se algo vai ser um vencedor, mas você acabou de responder, com um livro, como qualquer um faz, você o lê e… Bem, o que eu acho – e não apenas com livros, mesmo que seja apenas pensando em ideias originais… eu meio que começo a imaginar um filme, eu começo a imaginar a maneira que eu iria editá-lo e juntamente  imagino a música e o que ela iria passar, assim, sua imaginação cria o filme. Penso que provavelmente seja assim com muitas pessoas quando leem os livros, quando você pensa sobre isso, quero dizer, um bom livro traz à vida, traz a história para a vida e em sua imaginação, então eu meio que fico animado com isso, e a razão pela qual eu faço filmes é porque eu acabo ficando tão empolgado que eu quero ver em filme – você começa a pensar assim: ‘isto poderia ser muito legal’ e você realiza. Para vê-lo, você tem que fazê-lo.

 

PM John Key: Então quantas vezes você começou a ler um livro e uma ideia que diz ‘eu posso fazer isso em um filme’, aparece – você a leva para a New Line ou a alguém, e eles simplesmente dizem que sim ou não?

 Sir Peter Jackson: Bem, não muito frequentemente. Tivemos sorte. A maioria das coisas que sempre quis fazer, nós fizemos. Quero dizer, às vezes surgem dúvidas, como quando nós originalmente quisemos fazer um remake de King Kong, e eu digo, é um dos meus filmes favoritos e nós tentamos fazer com que a Universal, antes de O Senhor dos Anéis, o fizesse,  e então nós trabalhamos por cerca de 8 ou 9 meses e depois, de repente, cancelaram e não queriam mais fazê-lo, e nós felizmente tínhamos O Senhor dos Anéis engatilhado, pronto para sair depois de King Kong, então pulamos para O Senhor dos Anéis. Em seguida, quando a segunda parte do Senhor dos Anéis estava terminada, eles decidiram que queriam fazer King Kong de novo, então nós fizemos. Você sabe, nós tivemos uns solavancos no caminho, mas nada de muito ruim. Mas também, só podemos fazer um filme a cada 2 ou 3 anos, então eu realmente não tenho uma reserva enorme de livros que eu queira transformar em filmes, porque eu não tenho tempo suficiente para isso. Então nós tendemos a fazer um projeto de cada vez e temos a sorte, no momento, de sermos capazes de fazer o que queremos realmente.

 

PM John Key: Peter, desejamos a todos vocês tudo de bom – estamos incrivelmente orgulhosos do que você fez para divulgar a Nova Zelândia e desejo a você e Fran [Walsh] e, obviamente, Richard [Taylor] e a todos, grande sucesso na rodagem desses filmes.

Sir Peter Jackson: Obrigado. Muito obrigado!

Comentários

  1. Pessoal,

    O PJ atualizou sua página no Facebook com fotos do filme Tintin,
    quem sabe ele se lembra das 20 perguntas ou um novo vídeo sobre o Hobbit. :0)

  2. Nossa Edson,eu ia responder,mas você deu uma resposta bem melhor que a minha,ótima resposta a sua!
    Eu,ao contrário do amigo Eric,adorei a entrevista e entendo o PJ completamente,ele passou três anos com os filmes,ele praticamente fez de tudo,mas ele fez parte da produção e da direção,acho que é meio complicado você mesmo ver os filmes que você fez…Acho que me sentiria do mesmo jeito…^^

    1. Olá, Eric! Tudo bem? É sua opinião e merece ser respeitada. Mas para não sermos injustos com o PJ, devo dizer que ele disse isso, pois não consegue ver seus próprios filmes como eu ou você os vemos, ou seja, como espectadores de fora. Ele não consegue, pois foi o realizador, diretor, roteirista, produtor, sabe tudo sobre eles, cada vírgula no roteiro, cada efeito…. Então, quando ele vê seus próprios filmes, ou parte deles, ele vê sempre com o olhar crítico de realizador, sempre com o olhar analítico, não consegue se desvencilhar disso tamanho envolvimento que teve. Por isso eu discordo de você. É por não conseguir ver seus próprios filmes que ele mostra o quanto se dedicou a eles. Nos extras da versão estendida da Trilogia ele explica isso, dizendo que gostaria muito de ver seus filmes com olhar de quem está de fora, não como realizador, e brinca dizendo que se fosse possível ser hipnotizado só pra isso, que aceitaria. Hipnotizado para esquecer quem ele é e ver os filmes como qualquer outra pessoa. Mas que se desse errado e não conseguisse voltar, a Warner não iria gostar muito disso, pois ele os deixaria na mão. Quem já viu pode confirmar. É isso. :)

      1. Boa, Edson.
        Ele sabe que poderia fazer diferente (melhor) muitas (acredito q todas… kkk) as cenas. É contraditório e os investidores n gostam. E tem outra, enquanto faz os filmes, ele vê cada cena em frames por segundo. N tem nada ali q ele n saiba em ângulos, graus, etc.
        :)

  3. um cara que não vê os filmes que ele próprio faz, isso é que é se dedicar, dar tudo de si. Desconheço esse cara.

  4. Como assim fala português? “Abaixo, a tradução das partes de maior interesse”. ¬¬

    Ai, gente! O Pj é incrível. Adorei!!!!